O homem com mais filhos do mundo, Belionguenjha Francisco Sabalo Pedro, ou “Tchikuteny”, como era conhecido, morreu esta terça-feira, contam o Jornal de Angola, o Nova Gazeta e a agência de notícias de Angola (Angop). “Tchikuteny” tinha 72 ou 69 anos, um número que varia, da mesma forma que os filhos. O que é certo, é que teve mais de 150 e deixou 42 mulheres. Morreu devido a um cancro na próstata. Vivia nos arredores da cidade de Moçâmedes, na província do Namibe.

Apesar na incerteza no número exato de descendentes de Tchikuteny, sabe-se que está sempre acima de 150. Há relatos de ter tido 166, como contou a RTP em 2019; ou 154, como contava o Público em 2014, sendo que os números até chegam a 243, como noticiou a Euronews em 2019 (terão morrido mais de 80 ao longo dos anos). Ao todo, o agregado familiar de Tchikuteny era composto por cerca de 580 pessoas, incluindo as 42 mulheres, os filhos, netos e bisnetos. Ao Jornal de Angola, o irmão de Francisco Pedro disse que Tchikuteny sempre tentou manter a união da família.

Além de ser o patriarca desta família, Tchikuteny era também líder espiritual desta comunidade. De etnia mucubal, viu a poligamia culturalmente aceite. Em 2014 o Público escrevia que “os filhos parecem entender-se às mil maravilhas, independentemente das diferentes mães que os viram nascer”.

A comunidade de Tchikuteny no Giraul foi fundada em 1985. Em 2014, contava-se que Belionguenjha terá nascido não longe dali, na aldeia de Lianguela no Giraul do Meio, no “primeiro dia de 1951” (uma data que não coincide com a idade que a Angop avançou). Em 1972, já seria pai de quatro filhos.

“Resolvia todos os problemas”, contou o psicólogo José Pedro à Angop, que pediu às autoridades locais para acompanharem “de perto os membros da família, em especial as crianças em idade escolar”. O Jornal de Angola cita os filhos, que terão dito: “O nosso pai é que fazia tudo para nós estudarmos e com a sua morte não sabemos o que será de nós, pois as entidades do governo só o conheciam a ele, agora tudo ficará mais difícil para a nossa família”. Esta família dedica-se à agricultura e pecuária.