A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) anunciou esta quinta-feira que irá propor a classificação de Imóvel de Interesse Público para a Quinta da Murtosa, em Mosteirô, concelho de Santa Maria da Feira, que terá sido visitada por Eça de Queiroz.

O anúncio publicado em Diário da República tem por base o parecer da Secção do Património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura que, a 13 de novembro de 2019, deu parecer positivo à classificação deste imóvel do distrito de Aveiro também conhecido como Quinta Sousa Brandão. A publicação, assinada a 4 de março pelo Diretor-Geral do Património Cultural, Bernardo Alabaça, determina agora o reencaminhamento do tema para a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural.

Segundo o Sistema de Informação para o Património Arquitetónico, a Quinta da Murtosa foi construída em 1780 e exibe no portal da capela da sua residência principal um brasão da família Correia, embora se desconheça quem especificamente terá mandado edificar o imóvel. Numa outra entrada da propriedade, identificam-se ainda dois outros escudos de armas, mas o seu desgaste não permite identificar quais as famílias aí mencionadas.

O registo da Quinta da Murtosa no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico refere, contudo, que a residência foi entretanto “reformada e ampliada num certo gosto setecentista”, sendo que, de acordo com a tradição local, foi também visitada pelo escritor Eça de Queiroz, que chegou “a mencioná-la na obra A Ilustre Casa de Ramires“, cuja primeira publicação se verificou em 1900.

A partir da publicação desta quinta-feira em Diário da República, abre-se um período de 15 dias para as entidades com eventuais interesses na classificação do imóvel remeterem as suas questões à Direção Regional de Cultura do Norte.