Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na passada quarta-feira, pelas 13h, um homem de 57 anos, residente no Bairro de Francos, no Porto, ligou para o INEM queixando-se de dor torácica forte. Alegou ser doente cardíaco e omitiu — e, mais tarde, mentiu — estar infetado com o novo coronavírus, pondo em risco funcionários do INEM, bombeiros, doentes e profissionais de saúde do Hospital de Santo António,  relata esta sexta-feira o Jornal de Notícias.

O homem foi atendido por um operador do Centro de Orientação de Doentes Urgentes, que lhe fez perguntas sobre os sintomas que, numa primeira análise, não pareciam ser compatíveis com a doença Covid-19. Uma equipa do INEM, constituída por um enfermeiro e uma médica, foi encaminhada à casa do homem que, quando questionado se teria conhecimento de estar infetado com o novo coronavírus, alegou que não. Só a médica teve contacto direto com o homem, esclarece o JN, ela que terá prestado os primeiros cuidados sem proteção individual acrescida.

Já no hospital — depois de o paciente ter sido transportado pelos Bombeiros Portugueses e ter sido submetido à triagem de Manchester na unidade hospitalar — descobriu-se, após consulta da ficha clínica, que tinha Covid-19. O homem foi prontamente encaminhado para uma zona isolada. Os dois bombeiros que o transportaram para o hospital encontram-se em quarentena profilática.

O hospital comunicou o caso à PSP e, segundo o jornal já citado, o homem pode ser indiciado por crime de propagação e doença infecciosa e pode ser condenado a uma pena de prisão até 8 anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR