O presidente do Governo dos Açores descartou “nesta fase” definir uma “operação especial” de transporte para a região de estudantes açorianos no continente, destacando os apoios dados aos jovens no âmbito da pandemia de Covid-19.

“A parte em que não há concordância [entre o executivo e os alunos] é a definição de uma operação especial de transporte. Entendemos que isso não deve ser feito pelo menos nesta fase”, sublinhou Vasco Cordeiro, falando em conferência de imprensa em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Com essa posição do executivo açoriano em mente, prosseguiu, foi criado um “conjunto de mecanismos de apoio”, de forma a “poder ajudar o melhor possível estas situações”.

Um grupo de estudantes açorianos deslocados no continente apelou na quarta-feira ao Presidente da República para que desenvolva “todos os esforços” no sentido de regressarem às suas casas, nas diferentes ilhas dos Açores.

125 estudantes açoreanos estão retidos no continente e sem apoio do Governo Regional

Vasco Cordeiro lembrou que a TAP ainda opera para São Miguel e para a Terceira, mas quem chega a essas ilhas tem de cumprir obrigatoriamente quarentena de 14 dias numa unidade hoteleira.

A Juventude Social-Democrata (JSD) dos Açores tem chamado a atenção em concreto para o problema dos alunos de outras ilhas que não São Miguel ou Terceira, e que precisariam de um outro voo interilhas para chegarem à sua ilha, numa altura em que a operação da SATA está parada, excetuando casos urgentes ou de transporte de carga.

Em 8 de abril, o Governo Regional dos Açores recomendou aos estudantes açorianos deslocados no continente que permaneçam onde estão, mas disponibilizou apoios ao alojamento e alimentação para situações de carência económica.

Até ao momento, já foram detetados na região um total de 105 casos, verificando-se 11 recuperados, cinco óbitos e 89 casos positivos ativos para infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença Covid-19, sendo 59 em São Miguel, seis na ilha Terceira, quatro na Graciosa, seis em São Jorge, nove no Pico e cinco no Faial.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 137 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 629 pessoas das 18.841 registadas como infetadas, segundo o balanço de quinta-feira.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.