A Câmara de Gondomar vai lançar uma bolsa de voluntariado dedicada à Covid-19 e está à procura de pessoas, quer para prestar apoio de caráter emocional a idosos, quer para apoio especializado com formação em saúde e geriatria.

Em causa estão duas iniciativas, a “Voluntári@ D’Ouro Voz Amiga” e a “Voluntári@ D’Ouro Especializado”, lê-se no documento desenvolvido pela divisão de Desenvolvimento Social da Câmara de Gondomar.

E para levar a cabo esta iniciativa a autarquia de Gondomar, no distrito do Porto, enviou esta semana ’emails’ a colaboradores da autarquia e serviços, nos quais se lê que, “sem prejuízo das disposições legais aplicáveis e das decisões que poderão ser tomadas, a câmara de Gondomar pretende desde já constituir de forma voluntária uma bolsa entre os seus colaboradores”.

Isto para estar preparada para a eventualidade de ter de abrir os espaços de retaguarda montados no concelho, bem como em caso de “necessário reforço de recursos humanos em algumas instituições”.

Assim, a “Voluntári@ D’Ouro Voz Amiga” tem como objetivos “acompanhar os idosos em situação de isolamento e fragilidade social, através de chamadas telefónicas, promovendo uma escuta ativa de forma a criar um espaço que fomente a monitorização do seu bem-estar”.

A proposta consultada hoje pela Lusa também aponta como objetivos desta vertente da bolsa “contribuir para a promoção de um envelhecimento saudável, estimulando cognitivamente os idosos”, bem como “potenciar momentos de convívio, com a possibilidade de partilha de histórias e vivências, de forma a atenuar o processo de solidão e minimizar o impacto da pandemia”, e “identificar necessidades dos idosos e prevenir problemas do foro social, familiar, individual e comunitário”.

Para aderir a este projeto os voluntários devem ter interesse pelo contacto/trabalho com idosos, competências de gestão emocional, de comunicação e escuta ativa, bem como competências pessoais e sociais “com enfoque numa perspetiva otimista de vida”, conforme se lê na documentação da divisão de Desenvolvimento Social da câmara.

Já para aderir à vertente “Voluntári@ D’Ouro Especializado”, os interessados devem ter formação ou experiência profissional nas áreas da saúde, geriatria e/ou na prestação de cuidados e aptidão no exercício de tarefas de apoio a pessoas em situação de vulnerabilidade.

Em ambas as vertentes só serão aceites voluntários com idade igual ou superior a 21 anos e residência em Gondomar.

É objetivo da segunda vertente da bolsa “acompanhar os idosos em contexto de internamento em estruturas temporárias de apoio criadas no âmbito da situação de pandemia, garantindo a prestação de cuidados e atenuando o seu distanciamento e isolamento social”.

Caberá ao município presidido pelo socialista Marco Martins disponibilizar aos voluntários o equipamento necessário, nomeadamente material de proteção.

A autarquia garantirá ainda seguro de acidentes de trabalho aos voluntários, assim como alimentação e transporte.

Acresce, no âmbito do projeto “Voz Amiga”, a disponibilização de um telemóvel ao voluntário, associado a pacote de minutos, com dados móveis.

“Sempre que se justifique, mediante avaliação da necessidade, na salvaguarda do bem-estar e proteção dos idosos, será igualmente disponibilizado telemóvel ao idoso”, refere a proposta.

Gondomar tem cerca de 32.000 pessoas com 65 ou mais anos.

A iniciativa “Voluntári@s D’Ouro” é dirigida às pessoas idosas com 60 ou mais anos, residentes no concelho e que se encontrem em situação de isolamento social ou quarentena.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 154 mil mortos e infetou mais de 2,2 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 497 mil doentes foram considerados curados.

Portugal regista 687 mortos associados à covid-19 em 19.685 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.