Portugueses a residir na China queixaram-se à Lusa de discriminação por parte de chineses por medo da covid-19, uma realidade que afeta a comunidade estrangeira e ignorada por Pequim, confirmou a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW).

“O Governo central tem o dever de proteger toda a gente (…) Este racismo tem de ser parado”, afirmou à agência Lusa o vice-diretor da HRW para a Ásia, acrescentando que a organização não-governamental (ONG) tem recebido várias denúncias de estrangeiros barrados em vários serviços e que estão a sofrer ataques xenófobos nas ruas e nas redes sociais do país.

A China desde há várias semanas que tem registado cada vez menos casos da doença e estes têm sido, na maioria das vezes, provenientes do exterior, os chamados casos importados. Ao contrário, o resto do mundo, sobretudo fora da Ásia, tem visto o número de infetados a subir exponencialmente.

A desconfiança para com os estrangeiros vem precisamente por essa razão, explicou Phil Robertson, acrescentando que estes incidentes se agudizam porque nem o Governo central nem as autoridades provinciais estão a a agir para prevenir esses comportamentos.

Na província chinesa de Guangdong, adjacente a Macau, dois portugueses, que pediram à Lusa para não serem identificados, denunciaram vários incidentes discriminatórios de que têm sido alvo.

Um dos portugueses disse ter sido impedido de alugar espaços desportivos pela simples razão de ser estrangeiro. Os dois queixam-se de vários comportamentos discriminatórios. Entre alguns exemplos, contam que os chineses saem propositadamente do elevador quando eles entram.

Apesar de os casos mais graves não terem acontecido com eles, os dois contam vários relatos que têm recebido de amigos próximos, como o impedimento de entrar na loja da multinacional norte-americana Walmart na cidade vizinha de Macau, Zhuhai, ou de outros que foram expulsos de um hotel.

Questionado hoje pela Lusa, o cônsul português na cidade chinesa de Cantão afirmou ter conhecimento de casos discriminatórios para com estrangeiros, mas garantiu que não lhe foi reportado qualquer queixa de cidadãos portugueses.

“O consulado enviou um questionário a todos os cidadãos que estão aqui registados a perguntar se têm tido problemas”, disse André Sobral Cordeiro. Dos 203 portugueses registados no consulado, apenas 20 responderam e nenhum deles comunicou ter sofrido de comportamentos discriminatórios.

“Têm acontecido, de facto, algumas situações [discriminatórias para com estrangeiros], mas, em relação aos cidadãos portugueses, eles têm que nos dizer”, sublinhou, apelando para que os portugueses lhe comuniquem essas situações de forma a que o consulado possa responder e intervir. “Caso contrário, não temos como saber”, reforçou.

André Sobral Cordeiro explicou ainda que estão a ser discutidos entre vários Estados “uma ação comum” sobre a forma como vão agir, acrescentando que nessa altura a comunidade será informada.

O grupo que tem sofrido mais xenofobia é o africano. Fotografias e vídeos difundidos, na semana passada, em redes sociais, mostravam jovens e famílias de africanos a dormirem na rua em Cantão, no sul da China, após terem sido forçados a deixar casas e hotéis pelas autoridades, e proibidos de entrarem em lojas e em restaurantes.

Como consequência, vários governos africanos convocaram os embaixadores chineses nos respetivos países para manifestar preocupação, ao mesmo tempo que os embaixadores africanos na China escreveram uma carta conjunta ao ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, e ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas a denunciar a “discriminação e estigmatização” dos africanos em Cantão.

“A xenofobia e o racismo não têm lugar num país civilizado”, afirmou o responsável da HRW.

Da mesma forma, quando a situação da pandemia estava invertida (com mais casos na China do que no resto do mundo), Pequim criticou atos xenófobos e discriminatórios para com os asiáticos. “Não pode agora olhar para o lado”, frisou Phil Robertson.