O ex-fuzileiro João Paulino, um dos implicados no furto das armas de Tancos em 2017, é esta terça-feira interrogado na fase instrução do processo, que se encontra na etapa final e decorre no tribunal de Monsanto, em Lisboa.

O juiz Carlos Alexandre marcou para esta terça-feira o interrogatório do arguido, que esteve preso preventivamente até janeiro deste ano, e o debate instrutório para 4 e 5 de maio, apesar dos constrangimentos devido à pandemia de Covid-19.

“Inaceitável”. Advogado acusa PJ de permitir assalto a Tancos e diz que processo é ilegal

João Paulino, apontado pelo Ministério Público como o cabecilha do furto das armas nos paióis de Tancos, já tinha sido chamado para ser interrogado nesta fase, mas remeteu-se ao silêncio.

O processo de Tancos tem 23 acusados, incluindo o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, o diretor nacional da Polícia Judiciária Militar (PJM) Luís Vieira e o ex-porta-voz da PJM Vasco Brazão que respondem por um conjunto de crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência e abuso de poder.

O caso do furto das armas foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro do mesmo ano, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.