Todos os consumidores de água potável e eletricidade da Madeira vão beneficiar das isenções de pagamento decretadas pelo governo regional, no período entre 16 e 31 de março, assegurou esta quarta-feira o vice-presidente do executivo.

“As medidas e as resoluções foram tomadas para todos os madeirenses”, disse Pedro Calado, no final da terceira reunião semanal com as autarquias do arquipélago, que decorre no âmbito da luta contra a Covid-19.

No dia 22 de março, o governo regional, de coligação PSD/CDS-PP, decretou a isenção do pagamento do consumo de eletricidade entre os dias 16 e 31 de março, abrangendo 130.000 clientes da Empresa de Eletricidade da Madeira, com um impacto de 5 milhões de euros no Orçamento da região.

Ao nível do consumo de água — que é fornecida pelas câmaras municipais e pela empresa pública Águas e Resíduos da Madeira (ARM) — o executivo determinou a redução de 50% da fatura nos meses de março e abril, o que traduz um impacto orçamental de 1,1 milhões de euros.

“Nenhum concelho, nenhum munícipe será discriminado”, afirmou Pedro Calado, após a reunião que decorreu por videoconferência, na qual participaram nove dos onze concelhos que constituem a região autónoma – Câmara de Lobos, Funchal, Ribeira Brava, Ponta do Sol, Calheta, Porto Moniz, São Vicente, Santana e Porto Santo.

Santa Cruz e Machico não estiveram presentes.

No encontro participaram, também, a secretária da Inclusão e da Cidadania, Augusta Aguiar, os secretários da Economia, Rui Barreto, e da Saúde, Pedro Ramos, bem como o presidente do Serviço Regional da Proteção Civil, José António Dias.

Mais cedo ou mais tarde, as faturações respetivas do período de 16 de março a 31 de março serão isentas”, disse Pedro Calado, reforçando: “Essa é uma garantia que nós damos.”

O arquipélago da Madeira regista 85 casos de infeção pelo novo coronavírus, dos quais três doentes estão hospitalizados (um nos cuidados intensivos) e 13 já recuperaram, indicou na terça-feira o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

Na freguesia sede do concelho de Câmara de Lobos, contíguo ao Funchal, a oeste, as autoridades identificaram uma cadeia de transmissão de Covid-19, já com 27 doentes referenciados, o que motivou a instalação de uma cerca sanitária, em vigor desde domingo, por um período de 15 dias (até 3 de maio).