O SEF continua a efetuar diligências para localizar os cinco migrantes alojados num hostel em Lisboa e onde foram detetados 136 casos de infeção de Covid-19, disse esta sexta-feira à Lusa fonte daquele serviço de segurança.

A mesma fonte adiantou que um sexto migrante, que também esteve alojado naquele hostel da rua Morais Soares, em Lisboa, foi localizada pelas autoridades do Reino Unido, para onde fugiu a partir de Portugal.

Localizado em Inglaterra um dos seis requerentes de asilo que fugiram de hostel em Lisboa

A fonte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras precisou que este migrante localizado no Reino Unido tinha saído de Portugal antes de ser detetado o caso de Covid-19 no hostel.

O hostel Aykibom, localizado na rua Morais Soares, na freguesia de Arroios, foi evacuado no domingo devido a um caso positivo da doença, somando-se a este caso mais de uma centena depois de terem sido feitos testes à Covid-19 a todos os residentes e funcionários daquela unidade.

No entanto e quando foram realizados, também no domingo, os testes à Covid-19 a todos os requerentes de proteção internacional alojados no hostel, não estavam presentes 25 desses imigrantes.

A pedido das autoridades sanitárias, o SEF realizou várias averiguações e na quarta-feira anunciou que tinha detetado 19 dos 25 cidadãos estrangeiros. Dos seis desaparecidos, um foi localizado no Reino Unido e o Serviço de Estrangeiro e Fronteiras julga que um outro migrante também se encontre naquele país.

A fonte do SEF disse ainda à Lusa que é urgente a localização dos cinco migrantes para serem entregues à autoridades de saúde, devendo estar para breve as conclusões das diligências que estão a ser efetuadas.

Os 171 migrantes que estavam hospedados neste hostel foram transportados para a Base Aérea da Ota, em Alenquer. Destes requerentes de asilo, 136 testaram positivo à presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2), sete com resultados inconclusivos e 26 com testes negativos.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, o Conselho Português para os Refugiados (CPR), entidade responsável pelo acolhimento,referiu que não tinha perdido o rasto aos migrantes desaparecidos e que tinham sido localizados 19, sem nunca mencionar que estavam desaparecidos seis requerentes de proteção internacional.

Segundo o CPR, as listagens de acolhimento são atualizadas regularmente e qualquer requerente de proteção internacional tem liberdade de circulação em Portugal, não estando “obrigados a permanecer sempre no mesmo município” e devem manter “o SEF informado acerca do seu paradeiro, nos termos da Lei do Asilo”.

O CPR salienta também que, nos termos desta legislação, os requerentes de proteção internacional estão, durante todo o procedimento, em situação regular em Portugal.

Em Portugal, morreram 820 pessoas das 22.353 confirmadas como infetadas, e há 1.143 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A pandemia de Covid-19 já ultrapassou os 2,7 milhões de infetados e matou quase 200 mil pessoas em todo o mundo desde que surgiu em dezembro na China, segundo o balanço feito hoje pela AFP.