Todos os veículos comercializados nos EUA têm os seus consumos determinados oficialmente pela Agência de Protecção Ambiental (EPA, Environmental Protection Agency), que depois permite estabelecer a eficiência e a autonomia. Isto apesar de os próprios construtores saberem antes o que esperar, pois também eles determinam os valores segundo a mesma norma. Não há memória de grande celeuma em torno das determinações da EPA, por cuja mão todos os modelos passam, americanos, europeus ou asiáticos, do potente Ferrari ao pequeno Fiat 500. Tudo mudou com a chegada do Porsche Taycan, Turbo e Turbo S, a quem a EPA atribuiu um consumo muito elevado e, por tabela, uma autonomia muito reduzida, ficando a berlina desportiva eléctrica alemã como a pior do mercado nos dois domínios, o que não será motivo de orgulho.

Ao anunciar 200 milhas para o Taycan Turbo (322 km) e 192 milhas para o Turbo S (309 km), o Porsche não só ficou ligeiramente atrás do Audi e-tron 55 quattro, modelo mais pesado e menos aerodinâmico (328 km), como foi largamente batido pelo seu rival mais directo, o Tesla Model S Performance (525 km). Isto levou aos fãs da marca germânica do Grupo Volkswagen a reclamarem furiosamente, acusando a EPA de estar a perseguir a marca, atribuindo-lhe uma autonomia assustadoramente fraca, o que não só é mau para o cliente, pois tem de visitar mais frequentemente o ponto de carga, como belisca a imagem tecnológica do modelo, ao tornar óbvio a sua pouca eficiência.

Sabe-se agora que as críticas eram infundadas, com a EPA a divulgar um documento que prova que o valor que determinou para o Taycan Turbo S foi de 200 milhas (322 km) e que a foi a própria Porsche que resolveu anunciar apenas 192 milhas (309 km), por ter sido este o valor determinado nos seus bancos de ensaio na Alemanha.

Percebe-se o desconforto do construtor por tão fraco resultado, pois o Turbo S transporta uma bateria com apenas 6,6% menos de capacidade, mas reivindica uma autonomia 47,9% inferior. Os alemães poderiam ter acabado com a polémica logo à partida, explicando que o valor anunciado foi o determinado pelos seus técnicos.