Um grupo de 216 profissionais de saúde partiu no sábado para África do Sul para ajudar na luta contra a covid-19, após um pedido de ajuda daquele país africano à ilha, segundo autoridades cubanas citadas pela EFE.

O grupo, composto por 85 médicos, 20 enfermeiros e 111 profissionais de várias áreas da saúde, viaja num voo especial da South African Airways, que deve chegar hoje a Joanesburgo.

A África do Sul é o quarto país africano a que acodem profissionais cubanos, devido à pandemia.

A brigada médica inclui especialistas de medicina geral, bioestatística, biotecnologia, técnicos e epidemiologistas, e faz parte do contingente internacional de emergências “Henry Reeve”, que durante os últimos 15 anos prestou assistência em desastres naturais e crises sanitárias em cerca de 20 países.

Cada profissional foi cuidadosamente selecionado de acordo com a experiência e conhecimento na planificação, execução e gestão de casos clínicos, asseguraram as autoridades cubanas, citadas pela agência espanhola EFE.

Os profissionais cubanos seguirão para diversas províncias “segundo os planos estratégicos” do governo sul-africano, de acordo com a mesma fonte.

Cuba enviou pessoal médico para outros países africanos, como Cabo Verde ou Angola e Togo.

No total, quase 1.500 especialistas cubanos saíram da ilha, desde o início da pandemia, para 21 nações da América Latina e Caribe, Europa, África e Médio Oriente, entre as quais Itália, Catar, México, Honduras, Venezuela, Haiti e Jamaica.

Segundo Havana, mais de 400.000 especialistas cubanos prestaram serviço em 164 países, até ao final de 2019.

Atualmente, há cerca ce 37.000 profissionais de saúde em 67 países, muitos deles com casos de covid-19.

O contingente médico internacional “Henry Reeve” foi criado pelo falecido presidente Fidel Castro em 2005 para ajudar o Estado de Nova Orleans (EUA), após a devastadora passagem do furacão Katrina, mas Washington recusou a ajuda.

Há cinco anos, a brigada “Henry Reeve” ajudou a controlar a epidemia de Ébola em África e o seu trabalho foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com um prémio em 2017.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 200.000 mortos e infetou mais de 2,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 800.000 doentes foram considerados curados.