O grupo bancário espanhol Santander disponibilizou 100 milhões de euros para iniciativas solidárias contra o novo coronavírus, em todo o mundo, disse esta segunda-feira em comunicado.

Uma das iniciativas foi a criação de um fundo solidário com no mínimo 25 milhões de euros, para o qual contribuíram a presidente do Santander, Ana Botín, com 50% do seu salário fixo e variável, assim como administradores com parte dos seus salários.

os trabalhadores do grupo contribuíram em modo voluntário, segundo o Santander, acrescentando que também contribuições de filiais do grupo foram para este fundo.

Atualmente, o valor do fundo está nos 54 milhões de euros, montante destinado a comprar e doar equipamento e material de saúde.

O Santander diz ainda que disponibiliza mais de 46 milhões de euros, sobretudo para projetos de investigação em desenvolvimento.

O grupo bancário elencou ainda as iniciativas nos vários países em que está presente, referindo que em Portugal (onde detém o Santander Totta) gastou 2,7 milhões de euros na compra de ventiladores, material hospitalar e de proteção, campanhas solidárias, apoios a estudantes e projetos na saúde.

No início de abril, o grupo bancário espanhol Santander anunciou o cancelamento da distribuição dos dividendos de 2019 e 2020, referindo que permitirá apoiar famílias e empresas com crédito.