Um “número significativo” de estações e postos de correio estiveram encerrados durante o estado de emergência o que dificultou a distribuição postal, revela o relatório do Governo sobre o segundo período do estado de emergência.

“A EMEE [Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência] foi informada da existência de dificuldades na distribuição postal devido ao encerramento de um número significativo de estações e postos de correio, situação que foi sendo melhorada“, indica o documento entregue na Assembleia da República.

No entanto, o relatório sublinha que “tais dificuldades não impediram que, de forma inovadora, fosse efetuado o pagamento domiciliário de vales postais das pensões de reforma, o que permitiu a redução da exposição ao risco de uma parte significativa da população idosa“.

O relatório, no qual o Governo dá conta de forma pormenorizada das medidas adotadas durante o estado de emergência, acrescenta que também se verificaram “dificuldades na distribuição” postal para as Regiões Autónomas e para o estrangeiro devido à diminuição do transporte aéreo.

O documento, que foi publicado na página da internet do parlamento, refere que, neste período do estado de emergência devido à pandemia de Covid-19, “não se registaram acréscimos significativos” na evolução do nível de preços, apesar do “excesso de oferta, potencial ou efetivo, identificado em diferentes atividades económicas”.

Nesse sentido, sublinha que o “excesso de oferta” é merecedor de um acompanhamento próximo, assim como a trajetória do preço de matérias-primas.

O relatório frisa que as dificuldades provocadas pelo encerramento dos estabelecimentos de hotelaria, restauração e cafetaria, cujos operadores económicos são clientes proeminentes dos produtores agroalimentares, contrasta “com indícios de dinamismo ao nível do comércio de proximidade”.

Tal como aconteceu no primeiro período do estado de emergência, “não se verificam perturbações persistentes na cadeia de abastecimento de produtos agroalimentares”, indica ainda o documento.

O relatório sobre a aplicação do segundo período do estado de emergência, entre 3 e 17 de abril, devido à pandemia de Covid-19, vai ser discutido na Assembleia da República na quinta-feira.

Portugal contabiliza 948 mortos associados à Covid-19 em 24.322 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado esta terça-feira.