A economia dos Estados Unidos da América parou de expandir e desceu 4,8% no primeiro trimestre de 2020, na pior queda desde a crise de 2008, noticia o Financial Times. “É o fim da maior expansão económica de que havia registo”, refere o mesmo jornal.

Esta percentagem tem como base o produto interno bruto (PIB) do país, que soma todos os bens e serviços que são produzidos e tem como base os três primeiros meses do ano. No que concerne a vendas de retalho, houve uma queda de 8,7%, a maior desde 1992, quando se começou a contabilizar este indicador.

Governo federal dos EUA apenas ajudará estados bem geridos

Como as quarentenas e isolamentos sociais só começaram a meio de março nos EUA, o mesmo jornal cita vários economistas que afirmam que o pior ainda está para vir para a economia norte-americana. De acordo com o The New York Times, que cita Dan North, diretor de economia da companhia de seguros de crédito Euler Hermes North America, os próximos trimestres “vão ser os piores das nossas vidas”.

Nas duas últimas semanas, o congresso dos EUA aprovou  dois projetos de lei para concessão de um pacote financeiro de mais de 1,5 biliões de euros (2,2 biliões de dólares) para ajudar a minimizar o impacto económico da crise da Covid-19 e a recuperar mercados.

Segundo os dados mais recentes, os EUA registam agora 1.035.765 casos de Covid-19. No país já morreram 59.266 pessoas.