Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O maior estudo sobre doentes com Covid-19 no Reino Unido, conduzido por Calum Semple, que olhou para os registos clínicos de 17 mil pessoas, concluiu que mais de um terço dos pacientes admitidos nos hospitais britânicos (33%) morreu. No caso específico das unidades de cuidados intensivos, a taxa de mortalidade rondou os 45% e os 53% entre os que precisaram de ventilação. Segundo Semple, a taxa de mortalidade global foi a mesma “que aqueles que foram admitidos no hospital com Ébola”, disse à Sky News.

A mortalidade foi maior entre os idosos. Segundo o estudo do Coronavirus Clinical Characterisation Consortium, consultado pela Sky News, a idade média dos que morreram nos hospitais britânicos foi de 80 anos. Contudo, se não fosse pelo novo coronavírus, estes pacientes “não teriam morrido devido a outras causas”, ao contrário do que muitas vezes se tem dito. O risco de morte não foi mais elevado entre as grávidas e apenas 12% dos que morreram sofriam de doenças crónicas.

Porém, 53% das 17 mil pessoas que foram internadas devido à Covid-19 tinha uma condição pré-existente, sendo as doenças cardíacas as mais comuns (29%), seguidas da diabetes e asma. O estudo concluiu também que o risco de morte foi mais alto entre os doentes com demência (39%), obesidade (37%) e doenças cardíacas (31%). No caso dos doentes com obesidade, os investigadores acreditam que isto se deve ao facto de estas pessoas terem a sua função pulmonar reduzida e uma maior inflamação no tecido adiposo, isto é, na gordura que existe em redor dos órgãos.

O Reino Unido é, a seguir a Itália, o país europeu com maior número de mortes pelo novo coronavírus. Segundo os dados revelados esta quarta-feira pelo Ministério da Saúde britânico, já morreram no país 26.097 pessoas, 765 de terça para quarta-feira. O número de contágios encontra-se nos 165.221, o que coloca o país bem atrás de Espanha e Itália.

Reino Unido ultrapassa Espanha e torna-se o segundo país da Europa com mais mortes

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais de metade dos doentes são homens

Além de ter confirmado que, no Reino Unido, os mais afetados pela Covid-19 são os idosos e os que sofrem de obesidade, o estudo do Coronavirus Clinical Characterisation Consortium validou uma tendência que parece ser transversal a todos os países — a grande maioria dos pacientes são homens (60,2%) e apenas 39,8% são mulheres.

Do total de doentes internados para os quais o estudo olhou, a maioria recebeu alta ao fim de 14 dias de internamento e 17% precisaram de cuidados de intensivos, um número superior ao de Itália.