A Peugeot reconhece que o novo e-208 superou as expectativas de vendas mas, depois de ter passado a fase da surpresa, estará determinada a incrementar o número de unidades transaccionadas. O utilitário eléctrico francês representa 25% das vendas da família 208, contudo, a marca acredita que existe espaço para alargar o leque de clientes e, por conseguinte, as vendas. Isto se baixar o preço, avança a Auto Express.

Em Portugal, o e-208 foi lançado por 32.150€ no nível de equipamento Active, 33.350€ no nível Allure, 35.250€ no nível GT Line e 37.650€ no nível GT, sendo que nestes valores está incluída a oferta de uma wallbox de 7,4 kW.

Conduzimos o novo Peugeot 208. Inclusive o eléctrico

De acordo com a publicação britânica, a meio do ciclo de vida do modelo, a Peugeot deve aproveitar o facelift para introduzir uma versão com menor bateria e preço a condizer. Isso vai necessariamente reduzir a autonomia, mas esse não é um problema na perspectiva da responsável pelos Veículos Eléctricos na Peugeot. Em declarações à DrivingElectric, Anne-Lise Richards defendeu que, à medida que os clientes se forem sentindo cada vez mais à vontade com os veículos eléctricos, o alcance tenderá a perder relevância para uma utilização tranquila, sem stress.

De momento, o 208 exclusivamente a bateria cumpre os 0-100 km/h em 8,1 segundos, cortesia de um motor eléctrico de 136 cv (100 kW) e 260 Nm, o qual é alimentado por um acumulador com 50 kWh de capacidade. No ciclo WLTP, o eléctrico gaulês homologa 340 km entre visitas a postos de recarga, valor esse que pode baixar cerca de 25% se a Peugeot avançar com uma bateria mais pequena, para ter uma versão de entrada na gama. A ideia será conseguir um preço abaixo dos 24.800€, para uma autonomia a rondar os 244 km.

Além de não oferecer limitações em matéria de produção, salvo a introdução de mais uma variável, um e-208 mais barato deixaria a Peugeot bem posicionada face a rivais que, neste momento, não são seus adversários naturais no mercado. Por um lado, permitiria aos clientes de um Volkswagen e-up!, de um Seat Mii electric ou de um Skoda Citigoe iV saltar para o segmento acima, isto é, ter um carro maior por pouco mais. Por outro lado, face à autonomia prevista, a versão mais acessível do e-208 poderia constituir-se como rival de modelos mais premium, como o BMW i3, ou mais rétro, caso do Mini Cooper SE ou do Honda-e.