Entre alguns receios e a vontade de lutar, proprietários de retrosarias, lojas de roupa, sapatarias, barbeiros ou cabeleireiros reabriram esta segunda-feira as portas em Vila Real e os clientes saíram à rua com um novo adereço: a máscara.

No centro da cidade transmontana reabriram vários estabelecimentos comerciais depois de mais de um mês e meio encerrados devido à pandemia de Covid-19.

Durante a manhã, ainda foi possível observar os últimos preparativos em algumas lojas, como a limpeza de montras ou dos balcões, mas outros estabelecimentos já tinham clientes e até filas à porta.

Foi o caso da barbearia de David Rodrigues. Os clientes esperaram na rua, cumprindo um distanciamento de segurança, enquanto lá dentro o trabalho era intenso. “Já estava muita gente aflita para cortar o cabelo”, afirmou o responsável à agência Lusa.

Os cuidados de higiene são, nesta altura, redobrados. “O uso de máscara, álcool gel, desinfeção das cadeiras e estamos a trabalhar com marcação”, especificou.

Esta segunda-feira, muitos clientes ainda não estavam alertados para as novas regras e vieram mesmo sem marcação e não se importaram de esperar no exterior. Foi o caso de Norberto Ferreira, que referiu que já precisava de cortar o cabelo.

A cabeleireira Anabela Carneiro tem a agenda preenchida até sábado e, por isso, só está a aceitar novas marcações para a próxima semana.

Dentro do seu estabelecimento foram impostas novas regras para além da marcação obrigatória. Só é permitida a permanência de uma pessoa de cada vez no interior, é obrigatório o uso de máscara, o álcool gel para as mãos e o espaço é desinfetado entre cada cliente.

“Não podia continuar de portas fechadas até porque as contas continuam a aparecer, como a água, luz, IVA, Segurança Social e a renda. Mas já que abrimos, peço às pessoas para terem o cuidado para não voltarmos a fechar. Não custa nada usar máscara, a única arma que temos é mesmo a máscara”, afirmou.

A Lusa observou que, pelas ruas da cidade transmontana, a maior parte das pessoas usa a máscara, social ou cirúrgica.

Marciano Castro trabalha numa sapataria naquela que é conhecida como a rua Direita de Vila Real e disse que não podiam continuar parados, até porque as despesas são “insuportáveis”.

A loja reabriu depois de uma limpeza às montras, balcões, tudo aquilo que pudesse estar ao alcance dos clientes que, para experimentarem os sapatos, terão de colocar nos pés uma espécie de plásticos de proteção.

Um pouco à frente, num pronto a vestir de noivas, José Filipe Bessa disse que o período de paragem foi complicado para o negócio até porque os casamentos foram todos cancelados, mas também se mostrou receoso com o futuro.

“Tudo o que tínhamos para os meses de março, abril, maio e junho foi adiado, agora vamos ver como vão correr julho e agosto”, referiu.

Para além das regras básicas de segurança, aqui os vestidos experimentados irão cumprir uma espécie de quarentena durante, pelo menos, duas semanas.

“As pessoas vão ter que se habituar a voltar ao dia-a-dia, vai ser tudo muito gradual e vamos ver o que vai acontecer. Não era possível continuar de portas fechadas, até pela nossa sanidade”, afirmou.

Bernardete Cardoso contou que as duas lojas de roupa que tem no centro da cidade estiveram encerradas dois meses.

“Não podíamos continuar com a porta fechada, dependemos disto, não temos outro modo de vida. Para nós já foi muito complicado estarmos estes dois meses fechados”, salientou.

Bernardete agarra-se à esperança que “vai tudo correr bem”, mas revelou algumas preocupações com o negócio que está muito dependente dos turistas, que agora não há, e dos emigrantes, que não se sabe se poderão vir.

Nas lojas há limitações de clientes, álcool desinfetante e as roupas que forem experimentadas serão todas desinfetadas.

Jorge Almeida Fonseca trabalhou um pouco à chamada nestas últimas semanas, em que os clientes lhe pediram material para fazer máscaras, principalmente tecidos e elásticos.

Esta segunda-feira reabriu as portas da retrosaria onde aplica limitações de clientes e até colocou uma fita vermelha no chão para garantir distância do balcão.

“O receio era continuar fechado. Neste momento não sei o que vai ser desta casa. Foi mês e meio parado e custou muito”, salientou.

Luís Manuel está preparado para trabalhar de viseira na loja de lãs onde é funcionário há 36 anos.

“Não era possível continuar fechado, nem para o patrão nem para nós, funcionários, que andávamos sem fazer nada. Também estava desejoso para vir para a loja”, frisou.

É um negócio mais de inverno, mas, mesmo assim, logo quando abriu as portas esta manhã teve dois clientes. “Vamos ver como vai correr, as pessoas estão com medo, mas precisam e vêm comprar”, salientou.

O plano de desconfinamento e de reativação da economia apresentado pelo Governo prevê que, nesta primeira fase, reabram pequenas lojas de rua que tenham até 200 metros quadrados, assim como os cabeleireiros, as livrarias e os stands de automóveis.

Portugal regista esta segunda-feira 1.063 mortos relacionadas com a Covid-19, mais 20 do que no domingo, e 25.524 infetados (mais 242), segundo o boletim epidemiológico divulgado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde.

Portugal encontra-se em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.