Mike Pence, o vice-Presidente norte-americano, reconheceu no domingo que cometeu um erro ao não usar uma máscara de proteção na visita a uma clínica Mayo, uma decisão que o colocou na mira das críticas de vários especialistas em saúde pública. “Não achei que fosse necessário”, justificou o responsável.

Numa participação num programa político na Fox News, onde Donald Trump também falou, Pence justificou-se com os testes constantes a que o Presidente e o vice-Presidente são sujeitos, para despistar infeção pelo novo coronavírus. Foi por essa razão, diz, que decidiu não usar máscara.

“Desde o início que a CDC [centro para controlo e prevenção de doenças] deixou bem claro que se usa uma máscara para evitar passar o coronavírus a outras pessoas… E como o Presidente e eu estamos numa situação específica… Somos testados com muita frequência, bem como as pessoas que nos rodeiam, portanto não achei que fosse necessário”, afirmou Mike Pence. “Achei que era uma oportunidade para estar lá, falar com estas pessoas, olhá-las nos olhos e agradecer-lhes”, afirmou.

Ainda assim, Pence reconhece que foi um erro: “devia ter usado uma máscara quando visitei a Mayo Clinic”, diz o vice-Presidente norte-americano, lembrando que, dois dias depois, quando foi visitar uma fábrica de ventiladores no Indiana já usou máscara.

Desde 13 de abril que a Mayo Clinic implementou uma regulação que obriga toda e qualquer pessoa a usar máscaras, dentro das instalações. Toda a gente tinha uma máscara, como confirmaram vários dos presentes, exceto Pence.