O álbum de estreia da dupla Lina e Raül Refree, que recria temas do repertório de Amália Rodrigues, está nomeado para os prémios franceses Victoires du Jazz, divulgou hoje a sua promotora.

O álbum inclui temas como “Barco Negro”, “Foi Deus”, “Ave Maria Fadista”, “Medo” ou “Gaivota”, com novos arranjos musicais do espanhol Raül Refree, e foi editado internacionalmente em janeiro último pela Glitterbeat Records.

O disco concorre na categoria de “Álbuns de Músicas do Mundo”, ao lado de “1958”, de Blick Bassy, “Celia”, de Angélique Kidjo, “Tinn Tout”, de Danyel Waro, “The Healing”, dos BCUC, e de “Visto en el Jueves”, de Rocío Márquez.

Os vencedores das diferentes categorias são conhecidos no próximo dia 16 de outubro, numa cerimónia no Casino de Paris.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este anúncio surge numa altura em que o duo tem estado a reagendar os seus espetáculos devido à pandemia da Covid-19.

Em setembro, no dia 6, Lina e Raül Refree atuam no Auditorio de Galicia, em Santiago de Compostela. No dia 1 de outubro, a portuguesa e o músico espanhol atuam no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no âmbito da programação “Há Fado No Cais”, coproduzida com o Museu do Fado.

No dia 8 de outubro, tocam no Auditorio Tenerife, e no dia seguinte em Las Palmas, no Auditório Alfred Kraius, em Espanha. No dia 19 de outubro, atuam na Union Chapel, em Londres.

Lina tem uma carreira como fadista e Refree na área da música pop, tendo produzido álbuns de Sílvia Perez Cruz, El Niño de Elche, Lee Ranaldo e Rosalía.

A dupla conheceu-se em Lisboa e estreou-se em palco no Festival La Mar de Músicas, em Cartagena, no sul de Espanha, num espetáculo encenado por António Pires.

A nível internacional, o disco de estreia do projeto foi recebido com elogios em múltiplas publicações internacionais: com várias canções a passarem na BBC Radio 3 e 6 Music, a Pitchfork deu-lhe 7,7 em 10, adjetivando-o como um álbum “íntimo, sentido e solenemente convidativo”, enquanto a Les Inrocks classificou-o de “esplêndido e surpreendente”.