Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O primeiro encontro entre quem escreve estas linhas e quem fala entre aspas foi em 2016. Estávamos nas vésperas do NOS Primavera Sound e os Car Seat Headrest tinham acabado de editar Teens of Denial, pela Matador – primeiro disco de originais pela editora nova-iorquina depois de Teens of Style (2015), uma compilação dos 11 discos que Will Toledo, ainda a solo e no banco de trás do seu Toyota Sienna 2000, gravou em casa e lançou no bandcamp. Quando o vimos, já com a banda que hoje forma o conjunto – Seth Dalby (baixo), Ethan Ives (guitarra) e Andrew Katz (bateria) –, não deixavam de parecer um bando de putos saídos da escola a fazer rock’n’roll sem manias. Os nervos estavam lá, mas não deixou de ser um dos melhores pratos da ementa dessa edição do festival.

Quatro anos volvidos, os Car Seat Headrest são hoje uma das bandas independentes mais requisitadas dos festivais de música. Foi um fartote de estrada de 2016 a 2020. Pelo caminho, reeditaram Twin Fantasy (2018), disco que Toledo havia feito em 2011 por sua conta. E no ano passado editaram um trabalho ao vivo a que decidiram chamar Commit Yourself Completely. Foram etapas que antecederam este novo álbum, Making a Door Less Open, editado no passado dia 1 de maio.

[“Hollywood”:]

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.