Uma jornalista alemã disse esta quinta-feira à France-Presse (AFP) ter apresentado uma queixa por agressão sexual contra o ex-Presidente francês Valéry Giscard d’Estaing, acusando-o de conduta abusiva, nomeadamente de vários toques indesejados nas nádegas.

A jornalista confirma assim as informações publicadas na quarta-feira à noite pelo diário francês Le Monde e pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

Ann-Kathrin Stracke, uma jornalista de 37 anos que trabalha na televisão pública alemã WDR, relatou que o atual membro do Conselho Constitucional e ex-chefe de Estado francês (1974-1981) lhe tocou com as mãos, por três vezes, nas nádegas durante uma entrevista realizada no escritório do político em Paris em dezembro de 2018.

“Decidi contar a minha história porque acho que as pessoas devem saber que um antigo Presidente francês assediou sexualmente uma jornalista, neste caso eu, depois de uma entrevista”, explicou Ann-Kathrin Stracke, em declarações à AFP.

A queixa foi apresentada no Ministério Público de Paris no passado dia 10 de março.

A jornalista é apoiada pela respetiva entidade patronal, o canal público WDR, que submeteu o caso a uma investigação independente.

Contactado pela AFP, o Ministério Público de Paris escusou-se a comentar o caso.

Igualmente contactada, a equipa do ex-Presidente Valéry Giscard d’Estaing, de 94 anos, também não respondeu até ao momento às questões colocadas pela agência noticiosa francesa.

Os factos relatados e alegados pela jornalista alemã aconteceram em 18 de dezembro de 2018 durante uma entrevista a d’Estaing por ocasião do 100.º aniversário do nascimento de Helmut Schmidt, antigo dirigente social-democrata e chanceler alemão (1974-1982) que coincidiu no poder quando o antigo chefe de Estado francês estava no Eliseu (sede da Presidência francesa).