O índice que mede a atividade empresarial em Moçambique caiu para 37,1 pontos, “uma descida sem precedentes” que mostra “um declínio acentuado na produção” em abril devido à pandemia da Covid-19 e às restrições nas movimentações.

“As empresas moçambicanas observaram um declínio acentuado na produção durante o mês de abril, com a escalada da pandemia provocada pela doença do novo coronavírus de 2019 a resultar numa redução drástica de novos negócios”, lê-se na análise à atividade económica moçambicana de abril.

No texto que acompanha a divulgação do Índice PMI, que mede a atividade empresarial, acrescenta-se que “as medidas destinadas a reduzir a propagação do vírus, incluindo as restrições às viagens e a proibição à concentração de pessoas, tiveram um impacto substancial na procura, com a contração dos números relativos ao emprego e à atividade de aquisição face ao agravamento no panorama para a atividade”.

Segundo os dados, “o principal indicador do PMI caiu para 37,1 em abril, uma descida sem precedentes, indicando uma deterioração acentuada na saúde do setor privado em Moçambique”, que compara com os 49,9 pontos registados em março, apenas uma década abaixo do limiar a partir do qual se considera que as condições empresariais são positivas.

“Três dos subcomponentes do índice principal também caíram para valores recorde em abril – produção, novas encomendas e stock de aquisições – que assinalaram uma redução drástica na atividade, tendo as empresas associado essa situação à Covid-19 e às restrições do governo às deslocações”, lê-se ainda no relatório divulgado pelo gabinete de estudos económicos do Standard Bank.