Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A conferência de imprensa era sobre as 20 medidas que o Bloco de Esquerda tem em carteira para “garantir a segurança e a proteção no desconfinamento”, mas foi o tema da nova injeção de capital no Novo Banco que mais incomodou a coordenadora do Bloco de Esquerda. É que ontem, no debate quinzenal, o primeiro-ministro garantia ao Bloco de Esquerda que, “até haver resultados da auditoria, não haverá qualquer reforço do empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução” para injetar dinheiro no Novo Banco. Acontece que, tal como o jornal Expresso avançou, uma nova tranche de empréstimo de 850 milhões dos contribuintes ao Fundo de Resolução, que já estava prevista desde fevereiro, foi enviada para o banco precisamente esta semana.

“O primeiro-ministro deu-me nota de que me tinha dado uma informação errada porque não tinha conhecimento”, explicou Catarina Martins aos jornalistas quando questionada sobre este episódio. Sem querer revelar detalhes da “conversa privada” que teve com o primeiro-ministro, a coordenadora bloquista lançou-se às críticas sobre a injeção de capital público num banco privado numa altura em que o dinheiro do Estado é tão importante para proteger os portugueses e dar resposta à crise.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.