O presidente da Concelhia de Lisboa do CDS-PP pediu esta sexta-feira o reforço do policiamento de proximidade, devido aos vários relatos de assaltos e vandalismo, nomeadamente nas freguesias de Arroios e Areeiro.

Em comunicado, Diogo Moura considera que os arruamentos com menos movimentação, devido à pandemia de Covid-19, “são um alvo para pequenos delitos, pelo que importa que as forças de segurança que atuam em Lisboa, a PSP e a Polícia Municipal, avaliem entre si o reforço do policiamento de proximidade”.

“É essencial que haja este reforço de modo a dissipar o sentimento de insegurança que se começa a instalar juntos de comerciantes e moradores das zonas afetadas. Sendo incerto o impacto da pandemia  a sua duração, há que tomar medidas imediatas a bem da segurança de todos”, defende o centrista.

A esta realidade, importa ainda reforçar os programas de acompanhamento de idosos isolados, população vulnerável e mais exposta, a tentativas de assalto nas suas residências”, acrescenta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para Diogo Moura, também deputado municipal, a Câmara de Lisboa, presidida por Fernando Medina (PS), deverá pedir ao Governo um reforço do patrulhamento, mas deve também cumprir as “suas obrigações, designadamente de afetar agentes da Polícia Municipal para este efeito“.

“Na retoma a uma ‘nova normalidade’, os lisboetas não se podem sentir inseguros, em particular num cenário já de si difícil social, económico e emocionalmente“, salienta.

Na quinta-feira, em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Vizinhos de Lisboa, Rui Martins, deu conta de um aumento da atividade criminosa na freguesia do Areeiro, tendo relatado episódios de vandalismo e de assaltos a carros e lojas.

“O que está a acontecer aqui é o mesmo tipo de crime repetido várias vezes: vidros partidos. Partem vidros de carros para terem acesso ao interior e, outras vezes, partem os vidros apenas por vandalismo gratuito”, realçou o também fundador do núcleo Vizinhos do Areeiro, que pertence à Associação Vizinhos de Lisboa.

Segundo Rui Martins, todos os dias há lojas com vidros partidos e roubos. Acontecem sobretudo de madrugada, quando a freguesia “se torna numa selva”.

Os deputados do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) entregaram na quinta-feira um requerimento na Assembleia Municipal de Lisboa, no qual defendem mais policiamento nas ruas e questiona a autarquia sobre que medidas têm sido tomadas desde o início da pandemia de Covid-19 para garantir a segurança pública.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.114 pessoas das 27.268 confirmadas como infetadas, e há 2.422 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.