A PSP registou entre 22 de março e 2 de maio, no contexto da pandemia de Covid-19, um crescimento de 131% dos casos de burla, enquanto a criminalidade geral desceu 47%, em relação ao mesmo período de 2019.

Em comunicado a PSP indica que o crescimento dos casos de burla representa um acréscimo de 135 casos, enquanto a quebra da criminalidade geral se traduziu em menos 9.084 crimes registados.

A PSP anunciou também que, “no contexto do quadro do estado de emergência”, em que foi generalizado o confinamento da população, houve “uma diminuição da criminalidade violenta a grave na ordem dos 43%, com menos 442 crimes”.

A burla informática e nas comunicações registou um crescimento de 33%, correspondendo a um acréscimo de 210 casos, quando o furto em área anexa à residência subiu 25%, com mais 42 ocorrências.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto aos crimes com decréscimo mais acentuado, na mesma janela temporal, a PSP registou “uma quebra genérica de 50%, traduzida em menos 3.084 ocorrências”, incluindo um decréscimo de 94% no furto por carteiristas, com menos 1.019 denúncias, numa fase em que a movimentação de turistas praticamente parou.

Os furtos em edifícios comerciais ou industriais com arrombamentos registaram menos 25 casos, que correspondem a um decréscimo de 6% e os furtos sem arrombamento tiveram uma redução de 566 ocorrência, um decréscimo de 90%.

Os furtos de oportunidade, de objetos não guardados, tiveram um decréscimo de 82%, correspondente a menos 724 denúncias e os roubos registaram uma diminuição de 53%, traduzida num decréscimo de 439 ocorrências.

Entre estes, a PSP afirma que os roubos em posto de abastecimento de combustível tiveram uma redução de 88%, com menos 7 ocorrências, os roubos por esticão baixaram 56%, com menos 115 ocorrências e as ofensas simples à integridade física tiveram uma redução de 62%, com menos 847 denúncias.

Os furtos em veículos motorizados tiveram uma redução de 55%, com menos 887 ocorrências.

No período entre 22 de março e 2 de maio a PSP contabilizou a detenção de 266 pessoas “por desobediência no quadro legal específico deste estado de exceção”.

Portugal contabiliza 1.114 mortos associados à Covid-19 em 27.268 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.