Milhares de pessoas saíram este sábado à rua em cidades alemãs para protestar contra as restrições provocadas pelo surto da Covid-19. Segundo o jornal espanhol El País, em cidades como Munique, Estugarda, Berlim e Frankfurt, está a haver concentração de pessoas que se manifestam, não obstante a polícia esteja sistematicamente nos altifalantes a pedir que se mantenha a distância de segurança.

Em Berlim, segundo relata aquele jornal, através de correspondentes, os manifestantes começaram a concentrar-se em frente ao teatro Volkbuhne pelas 15 horas, tendo havido também protestos noutros pontos da capital alemã. Os protestos têm a ver com as medidas de restrição que estão a ser impostas pelo Governo e que, no entender dos manifestantes, limitam direitos consagrados na Constituição.

Aquele jornal refere ainda que os protestos são marginais, sendo que a maioria da população concorda e apoia as medidas de restrição sanitárias impostas. A maioria dos manifestantes, de acordo com os relatos feitos na imprensa, são militantes da extrema direita e da extrema esquerda.

Acontece que na Alemanha, ao contrário do que aconteceu em Portugal e noutros países da Europa, não foi decretado estado de emergência, nem confinamento obrigatório, tendo-se restringindo apenas a 2 pessoas o número de pessoas que podem estar juntas na rua (salvo famílias maiores).

Em Estugarda, também centenas de pessoas se reuniram debaixo do lema “Pensamento lateral” para protestar contra as medidas de restrição impostas pelo Governo de Angela Merkel devido à pandemia, uma vez que afirmam que qualquer restrição é um atentado aos direitos fundamentais protegidos pela lei fundamental do Estado. Em Munique e em Frankfurt também houve concentrações. Veja as imagens na fotogaleria, em cima.

A Alemanha tem neste momento um total de 168.551 pessoas infetadas, tendo registado 1.251 novos casos nas últimas 24 horas. Em relação a vítimas mortais, morreram naquele país 7.369 pessoas devido à Covid-19, mais 103 do que ontem.