Apesar de ter tido um credor a pedir a insolvência da empresa no dia 21 de abril, a Cervejaria Galiza, no Porto, deverá reabrir portas no dia 19 deste mês, confirmou o Sindicato da Hotelaria do Norte em comunicado, referindo ainda que a gerência da histórica cervejaria não cumpriu a promessa feita no Ministério do Trabalho e “continua a deixar ao abandono a situação dos trabalhadores”.

Face à situação provocada pelo surto do novo coronavírus, que levou ao encerramento da atividade da restauração, os 29 funcionários da cervejaria têm vendido refeições em serviço de take-away. Mas a solução não tem chegado para completar todo o salário do mês de abril: apenas conseguiram receber 450 euros, ficando “por pagar faturas de água, luz, gás e renda, pois não há fundo de caixa suficiente e a gerência recusa pagar”.

Agora, e de acordo com as normas que a Direção-Geral de Saúde (DGS) já emitiu para o setor da restauração, a Cervejaria Galiza prepara-se para receber clientes no dia 19 deste mês, “para, desta forma, poderem receber o resto do salário de abril e o salário de maio”, refere o Sindicato, acrescentando que “os trabalhadores não desistem da defesa dos seus postos de trabalho e da viabilização da empresa e prometem continuar a luta até haver um desfecho favorável às suas expectativas”.

Em fevereiro deste ano, depois de uma reunião entre o Ministério do Trabalho — Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, a gerência da Galiza e o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares deixaram uma solução em cima da mesa para a cervejaria: a insolvência. A decisão foi tomada tendo em conta que não existiam investidores “interessados que queiram assumir a dívida, que ultrapassa um milhão e 800 mil euros”, explicou António Ferreira, um dos elementos da comissão de trabalhadores, ao Observador.

Na prática, a Cervejaria Galiza entraria numa “insolvência controlada”, ou seja, o cenário não iria alterar o funcionamento do restaurante, uma vez que a cervejaria continuaria de portas abertas ao público e com os 29 trabalhadores ao serviço.

Porto. Cervejaria Galiza entrará em “insolvência controlada” em março e manterá as portas abertas e todos os funcionários

No entanto, “um credor requereu a insolvência da empresa no passado dia 21 de abril, mas até à data a empresa não foi notificada, o que é muito estranho”, refere o Sindicato, acusando ainda a gerência de não ter cumprido “a promessa feita no Ministério do Trabalho de meter um processo de insolvência controlada e recuperação da empresa”.

A luta dos trabalhadores da Galiza gerou no Porto uma vaga de solidariedade, com visitas de várias personalidades e políticos, incluindo o Presidente da República e presidente da Câmara Municipal do Porto. Fundada a 29 de julho de 1972, a cervejaria detida pela empresa Atividades Hoteleiras da Galiza Portuense é uma das referências do Porto no setor da restauração e está há quatro anos com dívidas ao fisco e à Segurança Social.