A Disneyland de Xangai tinha sido o primeiro parque de diversões da empresa norte-americana a fechar mas foi o primeiro a reabrir as portas após o encerramento global de todos os parques em março.

Como conta o The Verge, este parque abriu esta segunda-feira e poderá servir como teste para a abertura das restantes infraestruturas da Disney a nível mundial. Ao todo, podem entrar neste recintos até 24 mil pessoas por dia, o que representa, mesmo assim, apenas 30% da capacidade do parque em tempos normais.

Com a abertura, os poucos visitantes que voltaram esta segunda-feira a esta Disneyland foram cumprimentados por funcionários e atores deste parque. Contudo, como revela a CNN, o ambiente foi “meio silencioso” devido ao receio que ainda existe sobre novos surtos da Covid-19.

Coronavírus. China encerra Shanghai Disney, Grande Muralha e outros grandes monumentos

Para visitar a Disney de Xangai, todos os visitantes são obrigados a utilizar uma máscara de proteção e há caixotes do lixo específicos para as deitar fora. Além disso, todos os visitantes têm a temperatura medida à entrada e têm de mostrar que não estão infetados através de uma app governamental.

Entre estas medidas, está a desinfeção regular dos assentos de montanhas russas e, no caso de diversões mais interativas que implicam, por exemplo, segurar numa arma, como o “Buzz Lightyear’s Planet Rescue”, é necessário utilizar luvas descartáveis.

Outra das grandes mudanças tem a ver com as tradicionais fotografias que se pode tirar com os atores que vestem as personagens da Disney. Em vez de abraços, há distanciamento social. Outras atrações, como as tradicionais paradas de personagens, estão suspensas para evitar que as pessoas se aglomerem.

Até agora, os convidados estão a ser muito, muito respeitosos com o distanciamento social”, disse o responsável do parque de Xangai ao The New York Times.

Em 2019, a Walt Disney arrecadou 69 mil milhões de dólares com os parques (38% da sua faturação) e obteve um lucro de sete mil milhões de dólares, que este ano poderia cair para zero, segundo os analistas, se os parques não reabrissem até ao final do ano.

Até ao momento, não dá data prevista para a reabertura das restantes Disneyland nos outros países (Hong Kong, Japão, França, e EUA). Segundo vários analistas, esta abertura pode “demorar meses por serem espaços que promovem a concentração de pessoas e dificultam o isolamento social”. Contudo, o maior dos parques da Disney, localizado na Florida (EUA), terá planos para que este recinto abra já no final de maio — uma informação que ainda não foi confirmada oficialmente.