Leya, Porto Editora, Bertrand, Penguin Random House e 20|20 estão a preparar o regresso aos lançamentos que, para a maioria destes grupos editoriais, será feito no final deste mês de maio. Apenas a Bertrand decidiu deixar para o início de junho a publicação de novos livros, depois de dois meses de paragem.

Quase todas as editoras portuguesas decidiram, em meados de março, suspender o lançamento de novos títulos na sequência da pandemia do novo coronavírus até que a situação fosse regularizada. Agora, com o levantamento das primeiras restrições e a abertura das primeiras livrarias, os grupos editoriais preparam-se para retomar o seu normal funcionamento, num mercado onde já se fazem sentir as primeiras consequências da crise provocada pela Covid-19.

Um estudo de mercado feito pela Gfk Portugal concluiu que entre os dias 16 a 22 de março se registou uma quebra de 63,3% nas vendas de livros em Portugal (de 65,8% no valor gerado) em comparação com o mesmo período do ano passado. Para António Salvador, diretor-geral da empresa, citado em comunicado, “a situação atual que vivemos está a afetar gravemente a venda de livros e, a continuar assim, será a pior crise que alguma vez existiu no mercado”, uma situação para a qual vários responsáveis da área têm vindo a alertar.

Covid-19. Venda de livros em Portugal caiu 63,3% em março

Leya, Penguin, 20|20 e Porto Editora irão retomar as publicações ainda este mês, na última semana de maio. Relativamente aos três primeiros grupos editoriais, já é certo que a atividade será retomada em pleno em junho com várias novidades, incluindo novos livros de Rodrigo Guedes de Carvalho, Isabel Rio Novo (no caso da Leya) e Julian Fuks (no caso da Penguin).

“Durante as últimas semanas, como sempre, estivemos a trabalhar, e iremos publicar várias novidades a partir do final de maio, tendo já o resto do ano também programado, tendo em conta o desconfinamento por fases, e contando que junho seja o primeiro mês com todo o canal livreiro aberto”, disse fonte oficial do Grupo Leya, adiantando que as livrarias em Lisboa, Porto, Viseu e Funchal já reabriram.

Na 20|20, o regresso de maio passará sobretudo por uma aposta na literatura infantil. Em junho, as novidades já abarcaram todas as chancelas do grupo. Na Porto Editora, está apenas por enquanto confirmada a publicação de dois títulos em maio, nomeadamente de A Torre da Barbela, de Ruben A, na data em que o autor faria 100 anos (26 de maio), soube o Observador junto de fonte oficial.

A Bertrand regressará aos lançamentos em junho, mas ainda não tem datas. Em resposta às perguntas colocadas pelo Observador, o grupo adiantou que está neste momento a definir o plano editorial para junho e para os meses seguintes. “Ainda sem datas definidas para a publicação dos primeiros livros depois deste período de interregno, é seguro afirmar que na segunda quinzena de junho as várias chancelas da Editora terão já diversos livros novos nos pontos de venda por todo o país”, afirmou a Bertrand.

Artigo atualizado às 10h07 de 13/5/2020