Os bancos portugueses emprestaram 952 milhões de euros em março para compra de casa, elevando o total de novo crédito à habitação concedido no primeiro trimestre deste ano a máximos de 2008, divulgou esta terça-feira o Banco de Portugal (BdP).

O aumento de 3,6% em cadeia e de 9,4% em termos homólogos do crédito à habitação concedido em março (face aos 919 milhões de euros de fevereiro deste ano e aos 870 milhões de euros de março de 2019) eleva para um total de 2.848 milhões de euros o valor emprestado pelos bancos às famílias desde janeiro, o que representa o melhor primeiro trimestre desde 2008.

Em termos homólogos, o crédito à habitação concedido de janeiro a março aumentou mais de 21% face aos 2.349 milhões de euros emprestados no primeiro trimestre do ano passado.

Segundo os dados do BdP, no crédito ao consumo foram concedidos em março 421 milhões de euros, menos 48 milhões de euros do que em fevereiro e mais 32 milhões de euros do que no mesmo mês de 2019. No primeiro trimestre, foram financiados 1.350 milhões de euros em crédito ao consumo, acima dos 1.092 milhões de euros do mesmo período de 2019.

Já nos empréstimos às famílias com outros fins, o valor concedido em março alcançou os 240 milhões de euros, abaixo dos 248 milhões verificados no mês anterior, mas 25% acima dos 192 milhões registados em março do ano passado.

No acumulado até março, o crédito para outros fins somou 703 milhões de euros, ultrapassando os 488 milhões de euros do primeiro trimestre do ano passado. No que se refere ao crédito concedido às empresas, aumentou no primeiro trimestre para um total de 8.182 milhões de euros, face aos 7.370 milhões de euros do mesmo período do ano anterior.

Em março, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras diminuiu quatro pontos base face a fevereiro, para 2,10%, atingindo um novo mínimo histórico.

A taxa de juro das operações acima de um milhão de euros foi de 1,68% (1,75% em fevereiro) e a das operações abaixo de um milhão de euros de 2,42% (2,49% em fevereiro), mantendo o diferencial entre as duas taxas face ao mês anterior.

Nas novas operações de crédito a particulares para habitação, a taxa de juro média diminuiu quatro pontos base para 1,02%.

No crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias foram, respetivamente, de 6,67% e 3,67%, que comparam com 6,84% e 3,88% registados em fevereiro.