A Toyota prepara-se para reforçar a sua oferta de SUV, introduzindo no mercado europeu, incluindo o nosso país, o Highlander, o topo de gama que até aqui estava reservado ao mercado norte-americano. A gama fica assim completa, com o recentemente apresentado Yaris Cross a assumir-se como o SUV mais pequeno e acessível, a que se segue os conhecidos C-HR e RAV4, para depois o novo Highlander se assumir como a alternativa mais civilizada e confortável ao robusto e reputado, mas algo rude, Land Cruiser.

Com 4,9 metros de comprimento, o Highlander é um SUV substancialmente maior do que o RAV4 (4,6 m), o que lhe permite alojar no seu interior até três filas de bancos, acolhendo um máximo de sete pessoas. A plataforma é a GA-K, a mesma que serve o Camry, o RAV4 e o Lexus RX, de dimensões similares ao novo SUV da Toyota. Tipicamente é uma base concebida para se adaptar a vários modelos com motor à frente e tracção dianteira, que depois podem acolher com facilidade soluções híbridas e híbridas plug-in, com a tracção traseira a surgir mas exclusivamente com recurso à tracção eléctrica.

Yaris Cross. Os segredos do pequeno SUV da Toyota

Uma comparação do Highlander com o outro modelo da Toyota com dimensões e aspecto similares, o Land Cruiser, mostra dois veículos tão distintos quanto possível, apesar de ambos terem capacidade todo-o-terreno e oferecerem lugar para sete. Mas as semelhanças terminam aqui, pois o Land Cruiser é um jipe à séria e não um SUV, um parente relativamente próximo em termos estéticos, mas distante na capacidade de suportar maus tratos (o eixo rígido traseiro e o chassi de longarinas fazem milagres), sendo por isso o companheiro ideal para uma incursão por África, ou a uma escala inferior, pelo Alentejo profundo. Já o Highlander é substancialmente mais confortável, com melhor comportamento em asfalto (até pelos pneus que monta), com o sistema AWD-i a servir para lidar com situações em que o piso escorregadio impera, seja ele devido à lama ou à neve e gelo.

Como motor principal, o Highlander monta o motor a gasolina com quatro cilindros em linha e 2,5 litros de capacidade, unidade que no RAV4 debita 177 cv. Como híbrido que é, o novo SUV japonês está equipado com um motor eléctrico integrado na caixa de velocidades (contínua, por trem epicicloidal), com um segundo motor eléctrico a surgir no eixo traseiro, para assegurar a tracção atrás. Ambos os motores são alimentados por uma pequena bateria, que no RAV4 tem apenas 1,59 kWh, mas que neste SUV maior e mais pesado é possível que vá ligeiramente mais longe.

O novo RAV4 da Toyota é um poço de surpresas

No total, o Highlander oferece ao condutor quatro modos de condução, Eco, Normal, Sport e Trail, além de 243 cv, ligeiramente mais do que os 222 cv do RAV4 equipado com a transmissão AWD-i. A motorização híbrida permite-lhe anunciar um consumo de 6,7 l/100 km, a que correspondem emissões de 152g de CO2 por quilómetro.

O novo topo de gama dos SUV da Toyota deverá chegar a Portugal no primeiro trimestre de 2021, com o preço a ser revelado mais próximo do lançamento.