O novo romance da escritora italiana Elena Ferrante, “La vita bugiarda degli adulti”, que já tem tradução e publicação garantida em Portugal pela Relógio d’Água, vai ser adaptado a série pela Netflix, anunciou a plataforma de streaming.

“A vida mentirosa dos adultos”, na sua tradução para português, vai ser publicado em setembro pela Relógio d’Água, editora que tem lançado toda a obra da escritora italiana em Portugal.

Este romance, o oitavo de Elena Ferrante, foi publicado em Itália em novembro de 2019 e será uma série televisiva da Netflix, à semelhança do que aconteceu com a tetralogia napolitana de “A amiga genial”, que foi adaptada a série pela HBO em coprodução com a televisão pública italiana Rai.

No final de abril, o canal por cabo americano encomendou uma terceira temporada de “A Amiga genial”, uma saga que se desenrola em torno de duas amigas e de várias famílias num bairro de Nápoles, e que vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo.

“A vida mentirosa dos adultos” conta a história da passagem de Giovanna da infância à adolescência, durante os anos 90, mais uma vez com a cidade de Nápoles como pano de fundo.

No anúncio da adaptação televisiva, na terça-feira, a Netflix deu a entender que a série será filmada em Itália, na língua original do livro.

O projeto será realizado em colaboração com a produtora italiana Fandango, do produtor Domenico Procacci, que já trabalhou na adaptação televisiva de “A amiga genial”.

O livro “A vida mentirosa dos adultos” deverá ser publicado em 25 línguas a 1 de Setembro, de acordo com um comunicado de imprensa da Netflix.

Apesar do sucesso da sua tetralogia, cujos quatro livros foram publicados entre 2011 e 2014 em Itália, a escritora Elena Ferrante nunca se revelou publicamente e permanece escondida atrás de um pseudónimo.

A pista mais grave, apontada pelo jornalista italiano Claudio Gatti, leva à tradutora romana Anita Raja, mulher do escritor napolitano Domenico Starnone, tendo este sido também já apontado como o possível autor.

A tese nunca foi confirmada nem desmentida pela editora italiana de Elena Ferrante, Edizioni E/O.

O escritor que se esconde por detrás do pseudónimo Elena Ferrante continua a só dar entrevistas por email através da sua editora e o argumento para persistir no anonimato é sempre o mesmo: não quer que a sua imagem interfira na forma como o livro chega aos leitores, acredita que os livros bastam-se a si mesmos e que, depois de escritos, não necessitam dos autores para a sua promoção.

A Relógio d’Água publicou toda a obra da autora em Portugal, a começar por “Crónicas de mal de amor”, em junho de 2014, com prefácio do crítico literário inglês James Wood, que compreende os três primeiros curtos romances de Ferrante: “Um estranho amor”, “Os dias do abandono” e “A filha obscura”.

Os dois primeiros foram adaptados ao cinema: “Um estranho amor” teve adaptação de Mário Martone, em 1995, e chegou a Portugal em 2018 com o título “Vítima e Carrasco”; “Os Dias do Abandono” foi realizado em 2005 por Roberto Faenza, e chegou ao circuito comercial português em 2007 com esse mesmo título.

Em dezembro de 2014, a Relógio d’Água publicou “A amiga genial” o primeiro de quatro livros que compõem a tetralogia napolitana, completada com “Historia do novo nome”, “História de quem vai e de quem fica” e “História da menina perdida”.

Na HBO, cada temporada corresponde a cada um destes livros.

A Relógio d’Água publicou ainda outros três livros de Elena Ferrante: um infantil intitulado “A praia da noite”, um ensaio, cujo título é “Escombros”, e uma compilação de crónicas escritas entre 2018 e 2019 para o jornal The Guardian, intitulada “A invenção ocasional”.