O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) criticou esta quinta-feira as regras para a reabertura das creches e pediu esclarecimentos ao Governo sobre a fiscalização de instalações devido à pandemia de Covid-19.

Numa pergunta ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, através do parlamento, o PEV considera que as “orientações dirigidas às creches não são passíveis de serem postas em prática na maioria das instalações”, pelo que “os profissionais da área da educação da infância questionam a exequibilidade das medidas anunciadas pelo Governo”.

Para os Verdes, “o afeto, o toque, o colo, a partilha, a brincadeira são dimensões do convívio” entre crianças e educadoras, uma “proximidade praticamente impossível de ser banida”.

Sob pena de contribuir negativamente para o desenvolvimento da criança no seu todo (motor, cognitivo, social, emocional) e de prejudicar os vínculos da criança com os adultos de referência, com os quais deve estabelecer confiança e segurança no contexto da creche”, argumentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O PEV faz sete perguntas concretas ao ministério, a começar se o plano de rastreio de Covid-19, em curso para trabalhadores das creches, será alargado às amas.

E ainda se o Governo vai “prolongar o apoio concedido aos pais das crianças portadoras de doenças respiratórias, asma e alergias, formas graves de doenças crónicas como as imunodeprimidas ou as que têm uma cardiopatia congénita”, se os pais optarem pelo acompanhamento dos seus filhos em casa.

Os deputados dos Verdes pretendem ainda saber “quais os critérios que poderão determinar o encerramento de uma creche, se se verificarem casos positivos entre os trabalhadores da creche ou em crianças”, e ainda se eles serão transversais ou se se fará uma “análise caso a caso”.

As creches e as amas devem reduzir o número de crianças por sala para maximizar o distanciamento entre elas, mas sem comprometer o normal funcionamento das atividades lúdico-pedagógicas, segundo uma orientação da Direção-Geral da Saúde (DGS) publicada na quarta-feira.

Para evitar o cruzamento entre pessoas, a orientação estabelece também a definição de horários de entrada e de saída desfasados e a definição de circuitos de entrada e saída da sala de atividades para cada grupo.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 294 mil mortos e infetou mais de 4,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.175 pessoas das 28.132 confirmadas como infetadas, e há 3.182 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.