Dos 75 milhões de máscaras adquiridos pelo ministério da Saúde desde meados de março, apenas 250 mil — do tipo FFP2 — foram no âmbito do processo de compras conjuntas para a aquisição em bloco de equipamento de proteção individual lançado pela Comissão Europeia. Porquê? Porque, segundo os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), a central de compras do SNS, Portugal tem conseguido melhores preços, menor tempo de entrega e melhores condições de pagamento.

A notícia é avançada pela edição desta quinta-feira do jornal Público que acrescenta que a encomenda das 250 mil máscaras no âmbito do concurso internacional da Comissão Europeia só deverão chegar a Portugal no final deste mês. Depois da demora em reforçar os equipamentos de proteção individual para fazer face à pandemia, Portugal começou a celebrar ajustes diretos com empresas para suprir as necessidades.

OMS alertou para “escassez crónica” de material quatro vezes. Portugal só fez grandes encomendas em março

A resistência portuguesa aos concursos internacionais tem que ver também com a exigência, da maioria das empresas, do “adiantamento de pagamento superior a 60% da totalidade do valor da encomenda”, que se traduzem em “condições piores do que aquelas a que Portugal se tem vindo a abastecer” explica o ministério da Saúde ao Público.

Ministério da Saúde compra milhões em proteção individual por ajuste direto

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ministério da Saúde conseguiu fechar negócio com algumas empresas que garantiram a entrega do material de proteção individual em alguns dias, outros em algumas semanas e, também entre as várias aquisições os valores variaram. Nos fatos de proteção individual, por exemplo, com custos a oscilar entre os os 7,80 (com a empresa Clothe Up) euros e os 16 euros (com a empresa Oasipor), a empresa com preço mais baixo foi contratada a 17 de março com entrega prevista a 1 de junho e a empresa com valor mais alto a 18 de março com entrega para 1 de abril, duas semanas depois da compra.

Já no que diz respeito às máscaras cirúrgicas, nas aquisições que são coordenadas pela central de compras nacional em nome da direção-Geral da Saúde, houve compras a 49 cêntimos por unidade, a 58 cêntimos a unidade e a 54 cêntimos por unidade.

Não foram só máscaras, testes ou medicamentos. As curiosidades na lista das compras feitas ao abrigo da Covid