O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) entregou esta quinta-feira um pré-aviso de greve para 29 de maio, que abrange os trabalhadores dos CTT Expresso e dos CTT — Correios de Portugal.

O SNTCT informa, assim, o presidente do Conselho de Administração do CTT Expresso e a Comissão Executiva dos CTT — Correios de Portugal que os trabalhadores entrarão em greve geral “das 0h00 do dia 29/05/2020 até às 24h do dia 29/05/2020”.

De acordo com o sindicato, os trabalhadores não aceitam a proposta de atribuição de um cartão de refeição como forma de pagamento do subsídio de alimentação, substituindo, assim, o pagamento no vencimento mensal por transferência bancária, como tem sido feito até ao momento.

Os trabalhadores dos CTT, diz o SNTCT, querem continuar a usar a retribuição referente ao subsídio de refeição “conforme a sua vontade” ou local de preferência. Mais, o sindicato alega que, com esta decisão da empresa, há centenas de trabalhadores que vão passar a ter uma retribuição líquida inferior ao salário mínimo nacional.

O SNTCR esclarece que, durante o dia de greve, os serviços necessários à segurança e manutenção de equipamento e instalações serão assegurados por delegados e dirigentes sindicais, bem como por trabalhadores que não aderirem à paralisação.

O sindicato assegura ainda que serão garantidas a recolha, expedição e distribuição de medicamentos e produtos perecíveis.

Caso a administração não recue na decisão de pagar aquele subsídio através de cartão de alimentação, o que, segundo o SNTCT, constitui um incumprimento do Acordo de Empresa, “será decretada uma nova greve no dia 12 de junho e serão analisadas novas formas de luta”, acrescenta aquela estrutura.