O Departamento de Comércio dos EUA anunciou esta terça-feira ter bloqueado estrategicamente as compras de semicondutores da Huawei que recorram a ‘know-how’ [conhecimento] norte-americano.

As autoridades norte-americanas há muitos meses que fazem pressão junto das empresas dos EUA e dos países aliados para que não aceitem tecnologia da Huawei, nomeadamente para o desenvolvimento de redes de telecomunicação 5G, alertando para o risco de espionagem de uma organização que dizem estar ao serviço do Governo chinês.

Este anúncio bloqueia os esforços da Huwaei para contornar os controlos de exportação”, disse o Departamento de Comércio, num comunicado.

A nova medida pode prejudicar ainda mais as já tensas relações entre os Estados Unidos e a China, agravadas com acusações mútuas sobre a forma como cada um está a lidar com a pandemia de covid-19.

EUA e o 5G em Portugal: aceitar a Huawei levanta “uma questão de direitos humanos”

As autoridades dos EUA alegam que esta medida é uma resposta aos mecanismos que dizem estar a ser usados pela empresa tecnológica chinesa para dar a volta às restrições comerciais impostas desde 2019.

5G. EUA alertam europeus que Huawei é uma ameaça para a NATO

A Huawei e 114 empresas suas subsidiárias foram colocadas numa lista negra e obrigadas a obter licenças especiais sempre que quiserem exportar tecnologia para produtos dos EUA. “Contudo, a Huawei continuou a usar programas de computador e tecnologia americana para desenvolver semicondutores, prejudicando a segurança nacional e o objetivo diplomático das medidas”, explica o Departamento de Comércio.

Não é assim que se deve comportar uma empresa global que deseja ser responsável”, acrescentou o secretário de Comércio norte-americano, Wilbur Ross.

“Temos de mudar as nossas regras que estão a ser aproveitadas abusivamente pela Huawei e pela HiSilicon (uma subsidiária da gigante tecnológica chinesa) para impedir que as tecnologias americanas sirvam atividades maliciosas contrárias aos interesses da segurança nacional dos Estados Unidos e da sua política externa”, disse Ross.

O Governo dos EUA, contudo, permite um período de 120 dias, a partir de desta sexta-feira, antes da aplicação das novas restrições.