À semelhança do que acontece na maioria dos países sul-americanos, a Argentina teve esta sexta-feira o dia com o maior número de novos casos desde o início da pandemia. E não se pode propriamente dizer que esse número, de 345 infeções a mais, se deva à falta de medidas. Pelo contrário. E foi por isso que houve “festa” em Buenos Aires.

Quase dois meses depois, os menores puderam sair às ruas. Quase todos de máscara (obrigatória a partir dos seis anos), cumprindo uma série de regras, mas na rua. Na rua e nos parques, abertos este sábado para as crianças e adolescentes até aos 15 anos na companhia de um dos pais, durante uma hora, respeitando o distanciamento social e num raio de 500 metros da habitação. Ainda não foi altura para os habituais jogos de rua num país conhecido por ser uma das principais pátrias do futebol mas o país começa a dar os primeiros passos de desconfinamento.

A Argentina está longe de ter a situação da pandemia controlada e até aquilo que parecia mais perto, que era a reestruturação da sua dívida, continua a ser uma miragem. Martín Guzmán, ministro da Economia, continua a falar nas negociações por um acordo que possa ser cumprido. A primeira oferta do país foi recusada, o prazo foi alargado até ao final da próxima semana e a Bloomberg explica que a BlackRock Inc., uma empresa de Wall Street, pode ter parte da culpa para esse impasse nos últimos dois meses: a maior empresa de gestão de ativos endureceu as negociações, pediu melhorias substanciais na proposta inicial e algumas conversas subiram mesmo de tom.

No entanto, há um vídeo que se tornou viral e que continua a emocionar o país: o momento em que um bisavô viu pela primeira vez o bisneto, face às restrições existentes às entradas e visitas em maternidades nesta fase.

“Queria uma recordação deste momento e por isso pedi à minha tinha para filmar. Primeiro partilhei na minha conta do Facebook mas como tenho o meu perfil privado só viram os meus familiares e amigos íntimos. Como todos se emocionaram, achei que seria lindo partilhar noutra rede social [Twitter]. Nunca pensei que este momento se tornasse tão viral como veio a acontecer”, contou ao Infobae Agustina Fabrizzi, mãe do recém-nascido, numa história conhecida na quinta-feira no país mas que se foi difundido mais nas últimas horas.

Residente em Temperley, no distrito de Buenos Aires, Roberto Comparone, de 75 anos, tem três filhos, seis netos e agora o primeiro bisneto. No dia em que o bebé nasceu, por causa das limitações impostas no hospital, preferiu que os avós fossem à sua frente. Depois, chegou o confinamento. Ao longo de 60 dias, foi vendo de forma diária como estava Giovanni mas sempre via telemóvel. De surpresa, e já depois do anúncio das primeiras medidas no país tendo em vista um desconfinamento gradual, a neta foi à casa onde costumava almoçar todos os fins de semana e surpreendeu Roberto, que não aguentou a emoção num momento que entretanto se tornou viral.