Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Para o mundo da investigação científica, o surto do novo coronavírus veio acelerar, de uma forma sem precedentes, o ritmo de produção de evidências que tentam dar alguma resposta no meio de um tema dominado pela incerteza, dúvida e desconhecimento. Todos querem chegar a algo: um diagnóstico mais claro, um tratamento mais eficaz, formas de maior proteção e, quem sabe, a uma solução global. Mas esta produção científica a um ritmo quase alucinante também tem defeitos: com um nível de informação tão grande e diferente a ser produzido, nem tudo chega com qualidade suficiente para ser posto em prática e podem até existir informações contraditórias entre si que acabam por dificultar a criação de normas de orientação clínica e o processo de atualização dos profissionais de saúde.

Foi para fazer a ponte entre o que está a ser produzido diariamente em termos de evidência científica em todo o mundo e quem está na linha da frente nos hospitais que um conjunto de entidades médicas em Portugal se uniu e criou o COVID19PT-Ciência. O consórcio é constituído pela startup UpHill, a Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar e a Evidentia Médica e já analisou, selecionou e resumiu mais de 150 artigos científicos sobre a Covid-19, distribuindo todo este trabalho de forma gratuita aos profissionais de saúde que estão no terreno.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.