Teerão anunciou este domingo um boletim nacional de quase 7.000 mortos, alertando para o agravamento da pandemia de covid-19 em novas províncias do Irão.

O porta-voz do ministério da Saúde, Kianouche Jahanpour, disse que o país registou 51 mortes adicionais nas últimas 24 horas, elevando o total do país para 6.988.

Jahanpour alertou para o agravamento da situação na província de Lorestan (oeste) e, em certa medida, em Kermanchah (oeste) e Sistan-Baluchistan (sudeste), com o aumento de casos de infeção.

“A província de Khuzestan está ainda numa situação crítica”, acrescentou.

Classificada como “vermelha” — o nível mais alto de risco, de acordo com o código de cores adotado pelo Governo para medir o risco de propagação –, é a única província em que as restrições foram repostas, incluindo o encerramento de lojas comerciais não essenciais, após uma flexibilização nacional anunciada em abril.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Ministério da Saúde parou de publicar relatórios da pandemia à escala provincial durante um mês, mas o último relatório das autoridades de saúde, divulgado no sábado, aponta para “tendência ascendente ou início de pico” em oito províncias.

Na passada sexta-feira, a República Islâmica registou o maior número de novas infeções num mês. No entanto, um epidemiologista do Comité Nacional de Combate ao Coronavírus atribuiu o aumento de casos confirmados ao agora elevado número de testes.

Segundo Jahanpour, o Irão registou 1.806 novos casos de contágio num dia, elevando o número total para 120.198, e 94.464 dos pacientes hospitalizados recuperaram da doença e tiveram alta, desde a deteção dos primeiros casos de covid-19, na cidade xiita de Qom, em fevereiro.

No estrangeiro, mas também dentro do país, especialistas e autoridades suspeitam que os números oficiais estejam a ser amplamente subestimados.

O Irão cancelou os comícios do Dia de Jerusalém, realizados todos os anos em solidariedade para com os palestinos e apenas um discurso do líder, o aiatola Ali Khamenei, vai ser transmitido pela televisão estatal na sexta-feira.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou perto de 312 mil mortos e infetou mais de 4,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,6 milhões de doentes foram considerados curados.