O papa Francisco apelou este domingo ao respeito das regras de segurança impostas em vários países que permitem, ou irão autorizar nos próximos dias, o regresso das celebrações, de modo a “salvaguardar a saúde de todos”.

“Em alguns países as celebrações litúrgicas com os fiéis já foram retomadas, noutros a possibilidade está a ser avaliada e em Itália, a partir de amanhã, será possível celebrar a Santa Missa com o povo”, assinalou Francisco durante a oração do Regina Coeli, que devido à pandemia de Covid-19 é realizada na biblioteca do palácio apostólico e não à janela, em frente à Praça de São Pedro.

Em Itália, as celebrações comunitárias são autorizadas a partir de segunda-feira e, em Portugal, a data para o regresso das cerimónias é dia 30 de maio. “Por favor, respeitemos as regras, as prescrições que nos são dadas para salvaguardar a saúde de todos”, pediu.

Francisco também se dirigiu a todas as crianças que por causa da pandemia não puderam fazer comunhão este ano e convidou-as “a viver este tempo de espera como uma oportunidade para se prepararem melhor: rezando, lendo o catecismo para aprofundar o conhecimento de Jesus, crescendo na bondade e no serviço”.

A partir de segunda-feira, e após o pedido dos bispos do país, vai ser possível ir novamente à missa em Itália, sob rigorosas medidas de segurança, como bancos separados e distantes, limitação do número máximo de fiéis que podem entrar e a obrigatoriedade do uso de luvas e máscaras.

À entrada será colocado um doseador de gel desinfetante e todos os objetos utilizados durante a cerimónia devem ser desinfetados no final.

Para a comunhão, o celebrante deve desinfetar as mãos e usar luvas e máscara, tendo o cuidado de não entrar em contacto com as mãos dos fiéis.

Um organista pode estar presente, mas um coro não é permitido, nem os guiões com os salmos ou canções podem ser distribuídos.

As ofertas não serão recolhidas durante a celebração, mas depositadas pelos fiéis em recipientes especiais colocados nas entradas ou em outro local considerado apropriado.

Em Portugal, a partir de 30 de maio, estão autorizadas celebrações religiosas de acordo com regras definidas entre as autoridades de saúde e as confissões.