A tensão marcou esta segunda-feira o início da manhã no parlamento timorense com deputados aos gritos e aos empurrões devido à tentativa dos dois vice-presidentes realizarem uma sessão plenária para destituição do presidente do órgão.

Sem incidentes graves, a tensão começou quando deputados de três bancadas — Fretilin, PLP e KHUNTO — que entre si representam 36 dos 65 lugares no Parlamento Nacional, entraram na sala do plenário.

Depois de um compasso de espera os dois vice-presidentes, Angelina Sarmento, do Partido Libertação Popular (PLP) e Luis Roberto do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) tentaram dirigir-se para a zona da mesa do parlamento, apoiados por deputados desses partidos e da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).

Vários deputados do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), segunda força política, subiram à zona da mesa e impediram o acesso durante alguns minutos, com um deputado a manter-se “de guarda” à cadeira do presidente, Arão Noé Amaral. Os dois vice-presidentes acabaram por se conseguir sentar nas suas cadeiras com um deputado do CNRT a manter-se, em pé, a impedir o acesso à cadeira do presidente do parlamento.

Em causa está um requerimento assinado pelos deputados da maioria que quer votar a destituição de Arão Amaral e que deveria, segundo o regimento, ter sido debatido no plenário num prazo de cinco dias. Esse prazo já passou, mas a sessão ainda não foi agendada e Arão Noé Amaral voltou esta segunda-feira a rejeitar a sua realização, sendo esta a terceira semana consecutiva sem plenários.

Na sexta-feira os três partidos acusaram Arão Amaral de crimes de “abuso de poder, contra o Estado e de subversão” por paralisar o funcionamento parlamentar, nomeadamente por não agendar, como está previsto no regimento, um pedido da sua destituição apresentado no início de maio.

A maioria pediu à vice-presidente Angelina Sarmento, que conduza a plenária, tendo Arão Amaral considerado hoje que esse ato é uma tentativa de assalto ao poder que viola a constituição, a lei de organização, funcionamento e administração do parlamento, ao código penal e ao regimento do parlamento”, disse.