Uma investigação para compreender o impacto dos contaminantes industriais na infertilidade feminina, que está a ser desenvolvido na Universidade de Coimbra (UC), acaba de obter financiamento de uma entidade francesa, anunciou esta quarta-feira a instituição.

Liderado por Renata Tavares, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra, uma investigação sobre “(in)fertilidade feminina” acaba de “receber financiamento do LabEx DRIIHM (Dispositif de Recherche Interdisciplinaire sur les Interactions Hommes-Milieux)”, revela a UC numa nota enviada hoje à agência Lusa.

Este “é já o segundo financiamento consecutivo — no total de 30 mil euros” — atribuído pela instituição francesa à equipa do CNC para o estudo da infertilidade.

O DRIIHM (Mecanismo Interdisciplinar de Pesquisa em Interações Humano-Ambiente) “agrega 13 observatórios dedicados ao estudo da interação Homem-Ambiente a nível mundial”.

O estudo, explicita a UC, “pretende perceber o impacto dos contaminantes industriais na infertilidade feminina, de modo a que, no futuro, sejam tomadas medidas de prevenção e mitigação dos seus efeitos nefastos”.

Sabendo-se que “o aumento do risco da exposição a contaminantes industriais tem um impacto severo na fertilidade das populações suscetíveis aos mesmos, este estudo, com a duração de dois anos, vai centrar-se na avaliação do potencial reprodutivo das mulheres que vivem e/ou trabalham em Estarreja”, adianta a UC.

A cidade de Estarreja, no distrito de Aveiro, possui “o segundo maior complexo químico português” e nela “já anteriormente foram descritos incidentes de contaminação por metais pesados”.

Considerando o “aumento do risco de exposição devido ao crescimento industrial” a que se tem assistido nas últimas décadas, “tornou-se preponderante avaliar o potencial reprodutivo dos habitantes/trabalhadores de áreas fortemente industrializadas, principalmente se existe história local de contaminação, como no caso de Estarreja”, fundamenta Renata Tavares.

“Com a informação obtida neste projeto, não só pretendemos perceber se o potencial reprodutivo feminino nesta área será afetado, como ajudará a entender se será necessário monitorizar outros locais semelhantes em Portugal”, acrescenta.

“Este projeto poderá ainda salientar a necessidade da implementação de medidas mais urgentes para o decréscimo de contaminação/poluição em Portugal, bem como a nível mundial”, clarifica Renata Tavares.

A investigadora do CNC refere ainda que o projeto vai também contribuir para “a descoberta de novos mecanismos de ação destes contaminantes e com isto o desenvolvimento a longo prazo de estratégias para atenuar/tratar a infertilidade feminina”.

Além de Renata Tavares, participam no projeto Ana Paula Sousa, Maria Inês Alfaiate e Maria Soares, também investigadoras do CNC, e ainda João Ramalho-Santos e Teresa Almeida-Santos, docentes das faculdades de Ciências e Tecnologia e de Medicina da UC, respetivamente.

JEF // SSS

Lusa/Fim