A hotelaria do Algarve registou no mês de abril uma taxa global de ocupação média por quarto de 1%, devido à situação provocada pela pandemia de Covid-19, anunciou esta quarta-feira a maior associação hoteleira da região.

De acordo com a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), o efeito da pandemia causada pelo novo coronavírus “começou a afetar o turismo a partir do mês de março”, o que se traduziu numa quebra, em termos acumulados desde o início do ano, de 42,7% face ao período homólogo de 2019.

“As unidades de alojamento começaram a encerrar no início do mês de março, sendo que em abril apenas 11% das camas estava em funcionamento”, informou a associação no resumo da evolução mensal da atividade do setor.

Segundo a AHETA, “neste momento, cerca de 60% da oferta prevê reabrir durante o mês de junho e 12% no mês de julho, mas cerca de 25% não tem data prevista de reabertura, ou essa data é posterior a setembro deste ano”.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 323.000 mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 323.000 mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.263 pessoas das 29.660 confirmadas como infetadas, e há 6.452 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.