A vice-Presidente de Governo de Espanha, Carmen Calvo, atribuiu esta terça-feira o elevado número de contágios por Covid-19 em Madrid ao facto de a capital espanhola estar “praticamente em linha reta” com outras metrópoles mundiais, pese algumas delas estarem a milhares de quilómetros de distância.

“Nunca me tinha apercebido, porque às vezes imaginamos mal os mapas, que Nova Iorque, Paris, Teerão e Pequim estão praticamente em linha reta horizontalmente”, disse, aludindo à latitude daquelas quatro cidades e ao facto de estas coincidirem com Espanha. “São três (sic) das grandes cidades onde se deu um problema do demónio.”

E, depois, aventou uma explicação à qual diz ter chegado através de algumas leituras, que não chega a especificar. “Noutro dia, li que parece que tem a ver com determinadas temperaturas, que não são nem muito frias, nem muito quentes. Aperceberam-se, depois de darem muitas voltas ao assunto, de como isto afeta em comparação aos países ou por cima ou por baixo dessa linha.”

Espanha é neste momento o terceiro país do mundo com mais casos (278.803) e o quinto com mais mortes (27.778) na pandemia da Covid-19.

Carmen Calvo, que chegou a estar internada com Covid-19, não ofereceu nenhuma fonte para a afirmação que fez naquela sessão a Comissão Constitucional do Congresso dos Deputados. Porém, de acordo com um estudo estatístico publicado pelo Canadian Medical Association Journal a 8 de maio deste ano, é errada a ideia de que a latitude ou qualquer outro referente geográfico influa na vulnerabilidade de uma população a esta pandemia.

“Na nossa análise global, o crescimento epidémico da Covid-19 não tem nenhuma associação com a latitude geográfica, nem com a temperatura durante o período de exposição”, lê-se nesse estudo. Por oposição, o estudo determinou que existe uma “forte associação” entre o número de casos e a implementação de medidas como o encerramento de escolas, a proibição de ajuntamentos e a defesa de medidas de distanciamento social.

De qualquer modo, na sua afirmação, Carmen Calvo não escolheu não referir outras cidades que também estão em latitudes próximas da de Madrid (40.416775) e onde o número de casos é consideravelmente menor. É, por exemplo, o caso de Atenas (37.983810) e também o de Lisboa (38.722252).