Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Artigo atualizado a 21 de agosto de 2020, com a notícia da sentença do casal

Foi ainda em maio que a atriz Lori Loughlin e o marido, o designer de moda Mossimo Giannulli, concordaram em cumprir pena de prisão como parte de um acordo judicial no esquema de corrupção universitária em que estão envolvidos — que permitia que os filhos de norte-americanos abastados entrassem em universidades de elite, incluindo Yale, Georgetown e Stanford, a troco de subornos milionários —, de acordo com papéis do tribunal federal de Boston citados pela Associated Press.

Atrizes Lori Loughlin e Felicity Huffman suspeitas de envolvimento em esquema de corrupção universitária

Foi dia 21 desse mês, por videoconferência, que o casal se deu como culpado do crime de fraude informática (em Portugal, o crime mais parecido diz respeito a burla informática e nas comunicações, previsto no artigo 221.º do Código Penal), sendo que o marido assumia a culpa de um segundo crime de fraude.

Loughlin acordou então em cumprir dois meses de prisão e Giannulli outros cinco, algo que estava ainda sujeito à aprovação do tribunal, que esta sexta-feira, 21 de agosto, confirma as penas aplicadas. A atriz vai enfrentar ainda uma multa de 150 mil dólares e liberdade condicional durante dois anos com 100 horas de serviço comunitário. Já o marido enfrenta uma multa de 250 mil dólares, dois anos de liberdade condicional e 250 horas de serviço comunitário.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lori Loughlin, atriz de “Full House”, e o marido foram acusados de pagar cerca de 445 mil euros à Universidade do Sul da Califórnia para que as duas filhas do casal fossem recrutadas para a equipa de remo da universidade, muito embora não praticassem o referido desporto.

Felicity Huffman, atriz de “Donas de Casa Desesperadas”, condenada a 14 dias de prisão

Já antes Felicity Huffman, atriz de “Donas de Casa Desesperadas”, fora condenada a 14 dias de prisão pelo seu envolvimento no esquema de corrupção universitária. Um esquema que incluía subornos até 6 milhões de euros.

A investigação de nome “Operação Varsity Blues” demorou um ano a estar concluída, contou com a participação de duas dezenas de agentes do FBI e os seus detalhes só foram conhecidos em março do ano passado, na sequência de uma conferência de imprensa.