O presidente do comité olímpico australiano, John Coates, admitiu esta sexta-feira que a organização dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 enfrenta “problemas reais” com a adiamento da competição para 2021, devido à pandemia de Covid-19.

“Enfrentamos problemas reais, temos muita gente envolvida: 11 mil atletas de 206 países, 5 mil técnicos e oficiais, 20 mil jornalistas, 4 mil pessoas envolvidas na organização e 60 mil voluntários”, afirmou Coates, numa conferência organizada pelo grupo de média News Corp.

John Coates, que é membro do Comité Olímpico Internacional (COI) e já foi vice-presidente do organismo, rejeitou a possibilidade de adiar a competição para lá do verão de 2021.

Não podemos adiar mais a competição e devemos partir do princípio de que não haverá uma vacina contra o novo coronavírus, ou caso exista, não estará disponível para todos”, disse John Coates, que preside ao comité de coordenação do COI para os Jogos Tóquio2020.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para outubro estão agendados encontros para definir políticas sanitárias para os Jogos, caso a pandemia de Covid-19 esteja controlada.

As afirmações de John Coates corroboram as feitas na quarta-feira por Thomas Bach, presidente do COI, que admitiu o cancelamento dos Jogos caso não fosse possível realizá-los no verão de 2021, entre 23 de julho e 09 de agosto.

Pouco depois, o comité organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020 garantiu que não contempla o cancelamento do evento caso não decorra em 2021 devido à pandemia da Covid-19, demarcando-se das declarações Thomas Bach.

O diretor executivo do comité organizador, Toshiro Muro, afirmou que nem este organismo, nem o governo japonês, disseram em algum momento que 2021 era a “última opção” para que se realizassem os Jogos, adiados por um ano.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas — Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.