Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nasceu em Le Blanc-Mesnil, um subúrbio a pouco mais de dez quilómetros de Paris, começou a jogar futebol no modesto clube da zona, ascendeu depois ao Clairefontaine, passou para o Caen onde acabou a sua formação e fez a estreia como sénior, mudou-se para o Lorient, assinou pelo B. Dortmund em 2016 naquela que foi a primeira vez que jogou fora de França. Raphael Guerreiro nunca jogou em Portugal mas tornou-se indispensável para Portugal. Agora, é seguido como nunca em Portugal – ou não tivesse vestido outra vez a capa de herói improvável na primeira liga “grande” em termos europeus que regressou à atividade depois da pandemia.

Raphaël Guerreiro, o inesperado protagonista do regresso do futebol: Dortmund goleia Schalke com bis do português

Esta semana, em que começou a aparecer com mais intensidade os habituais rumores para o próximo mercado de transferências, o Manchester Evening News descrevia o esquerdino que se estreou pela Seleção Nacional em 2013 ainda com Rui Jorge nos Sub-21 como “o lateral esquerdo perfeito para Pep Guardiola e o Manchester City”. “Há muito tempo que o técnico é fã de laterais que cheguem à frente e ajudem o ataque, tal como aconteceu com David Alaba no Bayern ou com Dani Alves no Barcelona”, destaca a publicação, explicando com essa ideia a passagem de Zinchenko, que em termos originais era um médio, para essa posição. Mais: Guerreiro tem golo.

Numa época que ficou antes da pandemia marcada pela renovação de contrato com o B. Dortmund, o lateral fez 29 jogos e cinco golos até meio de março, quando todas as competições pararam. Agora, no “desconfinamento” da Bundesliga, tinha começado por bisar na goleada frente ao Schalke 04 (4-0) e marcou esta tarde mais um golo no triunfo diante do Wolfsburgo, chegando assim à temporada no clube com mais golos da carreira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de estar em dúvida para o encontro fora contra o primeiro do segundo pelotão da Bundesliga (ou seja, o sexto classificado, atrás de Bayern, B. Dortmund, B. Mönchengladbach, RB Leipzig e Bayer Leverkusen, as cinco equipas que vão lutar pelo título), Raphael Guerreiro recuperou e foi lançado como titular por Lucien Favre tal como Mahmoud Dahoud e Thorgan Hazard, os outros elementos que saíram com queixas físicas da partida com o Schalke 04 (Dan-Axel Zagadou contraiu uma lesão nos ligamentos do joelho e vai falhar o resto da época). Mais uma vez, voltou a fazer a diferença na frente, com o 1-0 a aproveitar a melhor jogada coletiva da primeira parte que não teve a melhor finalização do goleador Haaland mas que sobrou ainda para o lateral esquerdo.

Num segundo tempo onde o B. Dortmund perdeu muita chegada à área contrária, viu mesmo o Wolfsburgo criar por mais do que uma vez situações para o empate que tardou em chegar até uma fase em que os visitados foram congelando mais a bola, controlando em posse para fintar um evidente desgaste físico e lançando a transição rápida que fecharia de vez o encontro, com Jadon Sancho a fazer a 16.ª assistência na prova para o 2-0 de Hakimi (o outro lateral do B. Dortmund) aos 78′ que assegurou a vitória no Volkswagen Arena e mais três pontos na luta pela Bundesliga após sete títulos consecutivos do Bayern. E com Raphael Guerreiro em foco no ano civil de 2020, com um total de seis golos em 12 encontros como titular entre Campeonato e Liga dos Campeões.