Todos os fabricantes do globo estão a lidar com a pandemia. Esta, se por um os leva a ter de produzir veículos, para salvar as empresas, as economias dos países e a subsistência dos seus trabalhadores, por outro, obriga-os a respeitar um conjunto de normas que tornam tudo mais complicado. Ou, pelo menos, mais lento. A Jaguar Land Rover (JLR) é um desses construtores e este Range Rover é a sua primeira unidade produzida com o distanciamento social, o que se traduz por menos operários na linha e mais espaço entre cada um deles.

Além da distância entre os funcionários, com um mínimo de 2 metros, estes passaram igualmente a estar sujeitos a controlos regulares de temperatura corporal, através de scanners. As medidas de protecção pessoal foram igualmente reforçadas, com máscaras, viseiras, luvas e desinfecções sistemáticas.

Se as novas regras se destinam, em primeira instância a proteger a saúde dos funcionários, evitando que se contaminem, acabam também por favorecer a empresa, que seria forçada a encerrar toda a linha de produção, caso o número de infectados na fábrica dispare.

O executivo da JLR responsável pela produção, Grant McPherson, admitiu que “ver sair o primeiro veículo sair da linha de montagem respeitando este novo regime foi um momento marcante, com toda a equipa orgulhosa de o ter conseguido, mesmo se respeitando as normas sanitárias”, implementadas após o lockdown.