Há menos 18 pessoas internadas nos hospitais portugueses e menos uma nos cuidados intensivosindica esta terça-feira o boletim diário da Direção-Geral da Saúde para a epidemia de Covid-19 em Portugal. Alcançou-se assim o valor mais baixo de internados desde 29 de março e o valor mais baixo de acompanhados em cuidados intensivos desde 27 de março. Há também mais 274 recuperados da Covid-19 em Portugal.

De acordo com o mesmo documento, as autoridades de saúde portuguesas registaram mais 219 casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando o número total acima dos 31 mil — 31.007, indica o boletim da DGS. O número de mortes está agora nos 1.342, mais 12 nas últimas 24 horas. É um aumento de 0,7% do número de infetados (mais 0,2 pontos percentuais que ontem) e de 0,9% nos óbitos (menos 0,2 pontos percentuais do que na véspera).

Estes dados chegam no mesmo dia em que a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna anunciou os resultados de um inquérito segundo o qual “as taxas de ocupação das enfermarias Covid (48,8%) ou dos Cuidados Intensivos Covid (31,6%) demonstram que ficamos muito longe da rutura“.

De acordo com o inquérito, a lotação de camas de enfermaria Covid disponíveis era de 1.963, verificando-se uma taxa de ocupação de 48,8%. Havia também 620 camas de Intensivos para doentes Covid, sendo a taxa de ocupação de 31,6%. Em paralelo, 65% das Enfermarias Covid trabalharam em conjunto Especialistas de Medicina Interna e muitos outros Especialistas, enquanto em 35% a gestão foi integralmente assegurada por Internistas. Foram ainda contabilizados 327 Especialistas de Medicina Interna e 248 Internos de Medicina Interna em dedicação exclusiva ao tratamento dos doentes Covid (nas enfermarias e nas Unidades Intensivas).

Mais de 96% dos novos casos são em Lisboa e Vale do Tejo

Entre os casos de infeção pelo novo coronavírus verificados nas últimas 24 horas, 211 foram identificados na região de Lisboa e Vale do Tejo — 96,3% do total de novos infetados, a maior percentagem de sempre. Há ainda mais sete casos na zona centro, dois no sul e um no Alentejo. O boletim aponta ainda para uma diferença de dois casos no total registado norte: ontem eram 16.699, hoje são 16.697.

A percentagem registada em Lisboa testemunha um aumento que se tem verificado nos últimos tempos. A região registava cerca de 63% dos novos casos, mas a percentagem já subiu para 5% na semana passada, 86% no domingo e 87% na segunda-feira. Mais: dos 26.392 casos em vigilância pelas autoridades, 43% — isto é, 11.359 pessoas — são de Lisboa e Vale do Tejo. Loures foi o concelho que mais cresceu em número de casos, mas Sintra — o sexto mais afetado — já contabilizou 101 casos em 48 horas.

A taxa de letalidade é agora de 4,33%, em linha com as taxas que se havia verificado ontem. No entanto, este valor tem sofrido ligeiros aumentos nos últimos tempos.

Apesar de a esmagadora maioria dos novos casos ter sido registado em Lisboa e Vale do Tejo, quase 67% das mortes ocorreu na região Norte. Dos 12 óbitos nas últimas 24 horas, oito foram no Norte, três em Lisboa e um no centro. Sete eram homens e cinco eram mulheres. Entre as vítimas mortais do sexo masculino, quatro tinham mais de 80 anos, dois entre 70 e 79 anos e um entre 60 e 69. Nas mulheres, três tinham mais de 80 anos, uma entre 70 e 79 anos e outra entre 60 e 69 anos.

Terceiro dia consecutivo com mais homens entre os novos casos

A maior parte dos novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 ocorreu na faixa etária entre os 20 e os 29 anos — 44 infetados. Há mais 13 crianças com entre zero e nove anos doentes. Nos homens, que representam 110 dos casos, as faixas etárias mais afetadas são entre 20 e 29 anos e entre 40 e 49 — 21 casos em cada uma delas.

Nas mulheres, que são os restantes 109 casos, a maior parte dos novos infetados tem entre 20 e 29 anos. É o terceiro dia consecutivo com mais novos casos em homens do que mulheres, apesar de 57,4% do total de 31.007 casos de pessoas infetadas serem do sexo feminino.

O número de casos suspeitos subiu para 313.886, mais 2.663 do que na segunda-feira, o que representa um aumento de 0,9% em relação à ultima atualização. Também o número de casos não confirmados subiu na mesma medida, com mais 2.528 pessoas a testarem negativo nas últimas 24h. São agora 281.064, indica o boletim da DGS.

No entanto, há menos 84 pessoas a aguardar resultados. São agora 1.815, menos 4,4% do que ontem. É, ainda assim, uma percentagem superior à verificada na segunda-feira, quando o número de pessoas a aguardar resultados tinha diminuído 10,2%. Quanto aos contactos sob vigilância, há menos 57 pessoas na lista e são agora 26.392. É uma percentagem 0,2% inferior aos números de segunda-feira, dia em que tinham subido.