A Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) assegura estar “preparada” para recomeçar os controlos antidoping nos jogos da I Liga de futebol, com o reforço dos equipamentos de proteção e a introdução de questionários de prevenção da pandemia de Covid-19.

“Tivemos de adquirir no mercado material de proteção individual, quer para os atletas, quer para os nossos médicos e enfermeiros, o que foi muito difícil. Dispomos de máscaras e viseiras, além do que já fazia parte do nosso procedimento, como luvas e álcool. Estamos preparados”, explicou à Lusa o presidente da ADoP, Manuel Brito.

Em paralelo, o organismo máximo do combate ao doping em Portugal introduziu também a realização de questionários para profissionais e atletas, que vão ter também uma indicação preventiva face aos riscos de propagação do novo coronavírus, seguindo as orientações emanadas da Agência Mundial de Antidopagem (AMA).

Já temos os inquéritos para os atletas em português e inglês, inquéritos para os atletas com sintomas de Covid-19 e um questionário para os nossos médicos e enfermeiros, de modo a garantir a segurança. Antes de irem para uma missão, eles têm de preencher, garantindo que não apresentam sintomas ou que estiveram em contacto com alguém infetado ou a aguardar resultado de teste”, salientou.

Manuel Brito reivindicou o papel da ADoP na defesa da “integridade do desporto”, sublinhando o contacto prévio que houve com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) para a retoma das atividades de fiscalização.

“É evidente que, numa reta final de um campeonato, somos um elemento essencial para que a competição seja honesta. Estamos todos do mesmo lado, temos de trabalhar articuladamente e pugnar pela verdade no desporto”, notou, assegurando a atuação em dois jogos por jornada e confirmando a realização extra de “controlos surpresa em competição e fora de competição”, mas sem querer precisar o número desses controlos até ao final da época.

Paralelamente, o líder da ADoP anunciou para esta quarta-feira a realização de uma reunião plenária e presencial do Colégio Disciplinar Antidopagem – um órgão independente da estrutura da Autoridade, para o qual a ADoP apenas faz a instrução dos processos – que se irá pronunciar sobre 16 casos que já vinham a ser analisados ainda antes de a pandemia ter obrigado à suspensão dos trabalhos.

Sob a presidência de Luís Bonina, antigo diretor da Polícia Judiciária, este colégio é composto por mais seis elementos: os juristas José Guilherme Aguiar, José Fanha Vieira, Margarida Dias Ferreira, Paula Castro e os não juristas – Luís Horta, antigo diretor do Laboratório de Antidopagem, e Filipa Cavalleri, antiga judoca.

A I Liga vai ser reatada sob fortes restrições e sem público nos estádios em 3 de junho, com o encontro entre Portimonense e Gil Vicente, naquele que vai ser o primeiro dos 90 jogos das últimas 10 jornadas, até 26 de julho.

Após 24 jornadas, o FC Porto lidera a competição, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica. Além do principal escalão, também a final da Taça de Portugal, entre Benfica e FC Porto, integra o plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, ainda em data e local a designar.

ADoP e Federação de Ciclismo definem controlo da Volta “na próxima semana”

A Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e a Federação Portuguesa de Ciclismo devem iniciar “na próxima semana” os contactos para a definição de processos para o controlo dos ciclistas na Volta a Portugal em bicicleta.

“Ainda não tivemos oportunidade de coordenar com a Federação Portuguesa de Ciclismo o que se vai fazer. Concretamente, ao contrário do futebol, com o ciclismo ainda não tivemos esse contacto. Creio que na próxima semana teremos ocasião de articular isso, temos as melhores relações com a federação”, explicou à Lusa o presidente da ADoP, Manuel Brito.

Apesar de a pandemia de Covid-19 ter provocado a suspensão ou o cancelamento de inúmeras competições desportivas, a Volta a Portugal manteve a sua calendarização inalterada, entre 29 de julho e 09 de agosto. A ausência de um protocolo de fiscalização da prova não inquieta o responsável máximo do combate ao doping, que garantiu de forma taxativa a vigilância da ADoP na Volta.

O controlo é obrigatório e é uma exigência contratual da própria prova. Haverá controlo, certamente, mas temos de saber os percursos, os procedimentos e a acreditação das pessoas que vão acompanhar. Ainda não temos essa informação e é essencial para fazermos o nosso planeamento”, frisou.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França, Escócia, Bélgica e dos Países Baixos foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 03 de junho. A Liga alemã foi retomada em 16 de maio.